Canonical Tag: O que é, como funciona e quando usá-la

Canonical Tag: O que é, como funciona e quando usá-la

A busca pelo topo das páginas de busca do Google, Bing, Yahoo! e tantos outros buscadores é o principal objetivo da maioria das empresas presentes na internet. E o motivo é muito simples: o alcance a novos consumidores a partir dessas páginas, de maneira gratuita e orgânica, impacta diretamente no número de vendas.

Mas estar no topo é uma tarefa complexa, reservada a aqueles que entendem a importância de se investir em conteúdo, otimização de sites e SEO. Para piorar, com atualizações dos algoritmos de ranking todos os anos, as regras estão sempre mudando. O Google, por exemplo, atualiza seu algoritmo todo tempo, implementando melhorias em prol de oferecer um serviço melhor.

Dessa forma é fundamental que você reconheça o que é importante para o seu site estar bem rankeado. Entre as principais técnicas está a canonical TAG, assunto que exploraremos nos próximos parágrafos. Acompanhe.

O que é canonical TAG

Considerada a maior revolução desde a implementação dos sitemaps, a canonical tag surgiu nos motores de busca ainda em 2009 e de lá para cá serve, basicamente, para evitar que conteúdo duplicado seja indexado pelos algoritmos.

Os algoritmos de busca não gostam de conteúdo duplicado porque eles induzem o mecanismo a pensar que o site tem um tráfego e uma relevância maior do que a realidade. Isso é muito comum de acontecer em fóruns, sites com versões mobile ou então páginas com versões para impressão. Indicar ao Google ou a qualquer outro buscador que muitas das suas páginas possuem conteúdo idêntico e referenciar a página de origem é chamado de “canonicidade”.

A função da canonical TAG, neste contexto, é servir de marcação para que os algoritmos entendam que aquela página é uma réplica de outra e não a indexem da mesma maneira.

Como ela funciona

Em essência, você utiliza a canonical TAG da mesma forma que um redirecionamento 301, em que você indica para o algoritmo ir para outra página. Porém, a canonical TAG funciona apenas para motores de busca, permitindo que você leve visitantes para aquela página.

Seguindo o exemplo que citamos anteriormente, de páginas com versão para a impressão: com a canonical TAG você não permite que aquela página seja indexada, mas permite que o usuário a acesse. Se você utilizar um redirecionamento 301, não permitirá acesso nem de um, nem de outro.

Dessa forma, a canonical TAG funciona como uma maneira de otimizar seu SEO sem prejudicar a experiência de uso dos seus visitantes.

Onde, quando e como usá-la

Quando os motores de busca não identificam qual das versões do seu conteúdo precisa ser incluída ou excluída da indexação ou quando não sabem para qual página devem guiar métricas como confiança e autoridade, costumam reduzir sua relevância no ranking.

Assim, você deve usar canonical TAG toda vez que seu site criar múltiplas versões de um mesmo conteúdo, como nas páginas de impressão ou mesmo em páginas em que apenas alguns parâmetros de URL são alterados.

Por exemplo:

Sua página principal poderá ser acessada por algumas URLs diferentes, como:

  • www.minhaempresa.com
  • minhaempresa.com
  • www.minhaempresa.com/
  • minhaempresa.com/index
  • www.minhaempresa.com/index
  • minhaempresa.com/home.aspx

Cada uma dessas representará um conteúdo duplicado (pois todas apresentarão a mesma página). Porém ao usar a canonical tag, você irá evitar que os mecanismos de busca vejam elas como conteúdo duplicado e repassarão toda a autoridade e reconhecimento para um link único.

12786601295_dab29de6c9_z

Como funciona a Canonical Tag

Canonical tag: sua aplicação na prática

Primeiramente é definido o domínio canônico, ou seja, o site de busca (Google, Bing, Yahoo…) será informado que determinada URL será a preferencial para indexação de página ao seu site, lembrando que é preciso escolher entre a versão com ou sem o www, e então, ao ser indexado, esse domínio será usado nos resultados de busca e também para rastreamentos futuros da página e suas atualizações.

Sua aplicação é bastante simples, basta utilizarmos as referências “rel” e “href”. Vamos supor que a URL preferencial seja a “www.minhaempresa.com/institucional”, portanto, para que isso seja indicado aos robots dos mecanismos de busca, você deverá adicionar um elemento <link> à seção head das páginas.

<link rel=”canonical” href=”www.minhaempresa.com/institucional” />

Quando ocorre essa ativação, é certo que a maioria dos usuários irão se deparar com essa URL a cada resultado de pesquisa em que a página aparecer.

Aplicação em páginas que disponibilizem documentos

Suponhamos que uma página de seu site disponibilize um ebook no formado PDF, chamado “Revista Semanal Ed.1”; será necessário adicionar uma URL canônica para que não haja duplicações e o documento possa ser acessado através de diversos endereços.

Para que o link preferencial seja “www.minhaempresa.com/downloads/revista-semanal-1”, o procedimento será o seguinte:

Link = <http://www.minhaempresa.com/downloads/revista-semanal-1>; rel=”canonical”

A importância de utilizar o Redirect 301

Essa prática garantirá que o tráfego, assim como os próprios mecanismos de busca, sejam direcionados ao destino correto. O código 301 fará com que esses mecanismos entendam que a página foi movida para outro local, ao invés de detectá-la como páginas duplicadas.

Também recomenda-se a utilização do redirecionamento 301 quando se tem o objetivo de redirecionar os visitantes de um domínio para outro, o que pode acontecer quando uma empresa muda de nome e, com intenção de preservar ao máximo seus clientes e seguidores, procura fazê-los se acostumarem com as mudanças ao invés de migrar completamente.

Neste caso, é preciso certificar-se de que cada uma das antigas URLs direcionem para o novo domínio, nas respectivas páginas onde se encontra cada ‘nova versão’ do conteúdo. Alguns outros pontos importantes devem ser levados em questão:

  • Mantenha o Google sempre informado das alterações. Ou seja, caso migre para um domínio novo, faça a alteração de endereço nas configurações do site através das Ferramentas do Google para Webmasters .
  • Garanta que o novo domínio venha a ser rastreado pelo Googlebot.
  • Certifique-se de que as URLs antigas não estão bloqueadas, pois, caso estejam, isso impossibilitará o redirecionamento.
  • Fique atento para saber se os visitantes estão se deparando com o erro 404, embora o ideal seja evitar que o problema ocorra. Uma dica que temos para ajudar nessa tarefa é que você faça os testes por conta própria, elaborando uma lista de todas as URLs e acessando as mesmas através do Quick URL Opener. Ao detectar as URLs que apresentam erro, procure corrigir o problema o quanto antes!

URLs canônicas nas redes sociais

É bom esclarecermos uma peculiaridade das redes sociais quando utilizamos o “rel=canonical”: quando uma URL do Twitter ou do Facebook é compartilhada, e um botão de ‘like’ é adicionado, a contagem de likes será exibida somente na URL canônica, ou seja, se o usuário estiver em alguma URL que faça referência à uma canônica, a ação do usuário não será ativada na página atual.

Alguns erros comuns a serem evitados

Quando as canonical tags começam a ser aplicadas por quem não possui experiência, é muito fácil cair numa série de equívocos que podem destruir o tráfego completamente. Portanto, é imprescindível que se obtenha o máximo de informações possíveis antes de agir, de preferência seguindo as recomendações dos próprios sites de busca que aderem à essas tags ou verdadeiros especialistas no assunto, no caso, os experientes Webmasters.

Mas para evitar que você corra alguns riscos, confira abaixo alguns erros que podem ser evitados logo de início, garantindo uma boa experiência com as caconical tags logo de início.

1. Não entender que as canonical tags existem por um único propósito

Boa parte dos problemas registrados pelos iniciantes ocorrem por esquecerem de um grande detalhe: a estratégia só serve para evitar conteúdos duplicados e nada mais!

Tendo isso bem esclarecido em mente, evite aplicar caconical tags para qualquer outra finalidade que não seja a de solucionar problemas de conteúdo duplicado, pois as chances de gerar novos problemas são muito grandes.

2. Aplicar o rel=canonical em locais errados

Para que a técnica funcione é necessário que o rel=canonical esteja localizado na seção <head>, do contrário, como quando o código é inserido na seção <body>, os mecanismos de busca simplesmente ignoram a referência. Além de inutilizar a técnica, isso pode comprometer a estrutura HTML da página.

3. Não verificar cuidadosamente o código-fonte

Mais comum que criar modelos de código prontos para declarar o rel=canonical, com a finalidade de agilizar o trabalho, é ainda mais comum copiá-lo sem fazer as devidas alterações no link de destino. É como redirecionar o usuário a uma página errada, colocando em xeque a reputação do site como um todo.

A utilização de plugins de SEO também podem protagonizar problemas da mesma natureza, como a inclusão de duas ou mais declarações de canonical em um mesmo código fonte, e, assim como nos casos onde a referência está fora da seção head, os motores de busca também vão ignorar sua aplicação.

4. Utilizar canonical tags em páginas não-duplicadas

Como explicado no primeiro erro comum, a técnica só deve ser aplicada em conteúdos duplicados. Um exemplo que vem se tornando clássico é o da utilização de canonical em artigos que se estendem por outras páginas, fazendo com que todas as páginas tenham como referência a primeira.

Dessa forma, todo o conteúdo das páginas posteriores à primeira será perdido justamente por não se tratar de duplicidade. Neste caso, recomenda-se usar canonical tag para que se tenha a visualização integral de todo o conteúdo (todas as páginas).

O que você achou do nosso artigo? Gostou do tema e deseja se aprofundar ainda mais para aplicar em seu site? Para isso recomendamos que acesse as nossas 15 dicas valiosas para criar URLs bem estruturadas. Aproveite bem os conteúdos, afinal, nós os fizemos pensando em você!

Otimizar sua página para que ela seja melhor rankeada pelo Google certamente se tornará um dos principais canais de marketing da sua empresa. Assim, é fundamental que você esteja atualizado sobre as melhores práticas de SEO. Se você ficou em dúvida ou não sabe como utilizar as canonical TAGs, entre em contato com nosso time a partir dos comentários abaixo. Podemos ajudá-lo!

 
Autor(a)

Escrito por: Redator Rock Content Este artigo foi produzido por um dos mais de 5000 redatores da base da Rock Content. Quer conteúdo legal assim no seu blog? Fale com um consultor!



    Deixe um comentário

    Certificações em Marketing Digital - Universidade Rock Content
    Vagas em Marketing e Vendas - Rock Jobs
    Ebook Inbound Marketing - O Guia Definitivo

    A Rock Content é líder em marketing de conteúdo no Brasil. Ajudamos centenas de empresas a atingirem seus objetivos de marketing. Queremos ajudar você também!