Consumismo no Brasilpromoções e aos descontos? Já comprou aquele produto novinho só porque estava com um preço mais em conta?

">

Consumismo no Brasil: entenda o que realmente é e conheça o panorama no país

Entenda o panorama do consumismo no Brasil através de dados e pesquisas em relação ao comportamento de consumo do brasileiro.

Quando você vai ao shopping, consegue resistir às promoções e aos descontos? Já comprou aquele produto novinho só porque estava com um preço mais em conta?

Ou você é mais controlado e só compra aquilo que realmente tem necessidade, ou seja, aquilo que já tinha planejado antes de visitar a loja?

Esses são, basicamente, os 2 perfis que caracterizam a diferença entre consumismo e consumo.

Apesar de serem termos tão próximos, têm significados bastante distintos e que podem gerar algumas confusões.

Por isso, preparamos este post buscando eliminar as suas dúvidas sobre o que de fato é o consumismo, além de mostrar qual é o atual panorama do consumismo no Brasil. Confira:

O que é consumo?

Atualmente, o consumo está mais relacionado ao seu sentido econômico: o ato de comprar levando em consideração as nossas necessidades.

Ele remete aos tempos em que as pessoas começaram a se organizar em cidades, quando faziam trocas comerciais para conseguirem abrigo, comida, água, roupas e outros suprimentos dos quais realmente precisavam.

O consumo simplesmente faz parte da nossa sociedade.

Acontece que, com os acontecimentos da Revolução Industrial, tivemos a modernização dos processos de produção, mudanças no transporte e circulação de bens (e pessoas) e a potencialização das vendas em massa.

Foi uma transformação para as relações de consumo.

As economias industriais passaram a se expandir e os salários dos trabalhadores aumentaram gradativamente. Esses trabalhadores agora poderiam acumular renda e consumir bens, ajudando os negócios a prosperarem.

Esse é o ciclo característico do sistema capitalista, e o consumidor é a peça-chave dessa engrenagem. Por esse motivo, é tão comum dizermos que vivemos em uma sociedade do consumo.

Contudo, à medida que os consumidores foram se distanciando dos meios de produção, passaram a se alienar também em relação ao real valor dos bens e à necessidade em adquiri-los.

E foi dessa alienação que o consumismo começou a aparecer.

O que é consumismo?

O consumismo é o hábito de adquirir produtos e serviços sem precisar deles. É a compra pelo desejo, e não pela necessidade.

Geralmente, é marcado pelas compras por impulso e estimuladas pela ansiedade. Em casos mais graves, pode vir a se tornar uma compulsão.

Além disso, o consumismo está ligado à noção de que comprar mais vai trazer sensações de felicidade e prazer momentâneo.

É também resultado da influência de propagandas abusivas, que insistem em relacionar o consumo à felicidade e, muitas vezes, criam uma imposição de necessidades, mostrando como certos produtos ou serviços são capazes de tornar a vida das pessoas melhor.

O maior problema surge quando o consumismo fica tão intenso que evolui para um comportamento compulsivo.

Por exemplo: há quem use as compras como um gatilho para ajudar a melhorar o humor e, por isso, frequentam o shopping sempre que se sentem estressados ou angustiados.

São consumidores que precisam de ajuda, porque muitas vezes se endividam devido à falta de planejamento financeiro e de prioridade de despesas.

Inclusive, o consumismo tem uma outra face — também problemática —, que é o consumismo infantil.

Quando os produtos são associados a brindes, a personagens famosos ou a campanhas de publicidade que focam em despertar a atenção das crianças, os pequenos conseguem facilmente influenciar a decisão dos pais, especialmente em datas comemorativas.

Mas sabemos que não é só no Dia das Crianças e no Natal que os consumidores compram além do necessário.

O Dia das Mães, o Dia dos Pais e o Dia dos Namorados também são exemplos de datas em que as pessoas se sentem induzidas a irem às compras.

Qual é o panorama do consumismo no Brasil?

De acordo com um estudo do SPC e da CNDL, cerca de 3 em cada 10 consumidores no Brasil consideram as compras como o tipo de lazer favorito.

Esse levantamento do Serviço de Proteção ao Crédito e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas descobriu, ainda, que 40,2% dos entrevistados das classes A e B admitem que comprar é uma forma de reduzir o estresse do cotidiano.

Em um outro estudo, realizado pelas mesmas instituições, revelou-se que as classes C, D e E são as que mais compram sem necessidade, motivadas por promoções.

São números que deixam claro o quanto o consumismo está presente entre os brasileiros e que esse comportamento do consumidor ocorre em todas as classes sociais. Mas por que ele ocorre?

Conforme a nossa sociedade foi criando padrões de comportamento que demonstram o quão bem-sucedido um indivíduo é — padrões esses reforçados pela mídia —, pessoas de todas as classes sociais passaram a ter vontades semelhantes em relação aos “sonhos de consumo”.

Porém, o acesso aos bens de consumo mais caros não é tão simples para os grupos de baixo poder aquisitivo, que acabam gerando despesas superiores ao rendimento quando querem satisfazer esses desejos.

De certa forma, podemos dizer que o consumismo ajuda a acentuar a diferença de classes no nosso país.

Será, então, que existem maneiras para frear o consumismo?

Como reduzir o consumismo?

O gerenciamento das finanças pessoais e o consumo responsável devem ser ensinados desde cedo às crianças.

Pais que não demonstram esses valores ou dão o mau exemplo de comprar sem pensar podem influenciar os filhos a se tornarem consumidores irresponsáveis e com uma educação financeira ruim.

Portanto, antes de qualquer gasto, faça estas perguntas para si mesmo:

  • tenho condições financeiras de comprar esse bem?
  • eu realmente preciso desse produto/serviço?
  • tenho outra compra com prioridade maior que esta?
  • posso esperar para realizar essa compra ou ela realmente tem necessidade imediata?
  • existe um produto com a mesma função, mas que seja mais durável?
  • a empresa da qual estou comprando e o fabricante têm boas práticas no mercado?
  • quais serão os impactos da minha compra para mim, para a minha família, para a sociedade e para o meio ambiente?
  • a promoção vale a pena ou há outras lojas que vendem a um preço ainda mais barato?

Dessa forma, teremos consumidores mais conscientes e que saibam tomar decisões corretas durante as compras. É melhor não só para a saúde financeira, mas para a sociedade como um todo.

Curtiu o nosso post sobre o consumismo no Brasil? Tirou as dúvidas sobre as diferenças entre consumo e consumismo?

Então, que tal saber mais sobre o papel dos anúncios no estímulo às relações comerciais? Confira o nosso post completo sobre a publicidade!