papel amassado e café

10 dicas de copywriting para te ajudar a melhorar seu rankeamento nos motores de busca

Quando você passa horas em frente ao computador tentando alavancar os resultados da sua empresa no ranking do Google, provavelmente muitas dessas horas você poderá pensar que está trabalhando diretamente para um chefe difícil de agradar. Não importa o quão duro seja você tentar descobrir exatamente o que o esse gigante das buscas quer: no final pode acontecer de nada sair como planejado.

Daí, quando você finalmente acha que conseguiu montar um bom plano de estratégias, o Google simplesmente parece mudar repentinamente, sempre se recusando a revelar seus critérios e intenções. E, nesse caso, as empresas simplesmente não podem esperar sentadas.

Fato é que esse cenário está em constante mudança. Mesmo o Google já tendo revelado uma lista com alguns dos fatores de classificação a partir de seu buscador, seu algoritmo relacionado ao ranking ainda é um mistério. Mas isso também pode ser  uma grande vantagem e oportunidade para os profissionais de conteúdo.

De acordo com a Rand Fishkin, a estratégia baseada em SEO é de fato tão poderosa porque é difícil de prever e de medir. Do contrário, os profissionais investiriam mais e a área se tornaria ainda mais competitiva.

Pois é, meu amigo. Talvez todo o seu trabalho duro em tentar manter-se relevante no ambiente online com essas constantes mudanças de algoritmo do Google seja a melhor maneira de apaziguar e enfrentar a realidade. Mas, mesmo que seja esse o caso, você não acha que seria interessante conhecer alguns dos melhores insights para otimizar o seu conteúdo com base nos critérios atuais do Google?

Fique ligado, pois preparamos uma lista com as 10 melhores dicas de copywriting para que você escreva conteúdos arrasadores e que ajudarão a ranquear sua empresa no gigante das buscas.

1. Escreva para humanos e otimize para os motores de busca

Você está em 2015. Segundo a Hubspot, ninguém se interessa em ler conteúdo sobre SEO, nem mesmo as ferramentas de busca. A verdade é que o Google apenas prefere conteúdos naturais e óbvios a respeito dessa área de atuação.

Em essência, o que queremos dizer aqui é que não há razão em investir em bons ranqueamentos se seu conteúdo não converte. Talvez já esteja passando da hora de você focar no seu público-alvo, mas não se esquecendo de fazer com que os considerados “robôs” (motores de busca) também encontrem seu conteúdo.

2. Esqueça de uma vez por todas as inúmeras palavras-chave

Claro que não podemos esquecer que a densidade do número de palavras-chave possa ter sido um fator que influenciava diretamente no rankeamento, mas isso foi há muito tempo. E se você ainda não sabe, é bom que comece a entender que o Google já não favorece mais um grande número de palavras-chave sobrepondo outras.

O essencial agora é que os profissionais definam apenas as palavras-chave mais relevantes, usando-as naturalmente em seus textos, e não de maneira forçada. Faça com que seu conteúdo se apresente da maneira mais natural possível, ao invés de contaminá-lo com inúmeras palavras desnecessárias.

3. Invista em palavras-chave correlacionadas e variações gramaticais

Além do próprio Google, outros buscadores também usam um sistema chamado Latent Semantic Indexing (LSI), para combinar resultados de busca de quem está digitando algo no buscador. Ao utilizar sinônimos, palavras-chave correlacionadas e variações gramaticais, o profissional está garantindo uma nova forma de fazer com que seu conteúdo se torne ainda mais relevante.

Essa estratégia é um ótimo caminho para alcançar diferentes tipos de público com diferentes termos utilizados nas buscas.

4. Escreva conteúdos originais e aprofundados

Se você parar pra pensar, a primeira página no ranking do Google tem mais de 2.000 palavras. E mais: estudos e evidências apontam que artigos com conteúdos aprofundados conseguem um número de compartilhamentos muito maior do que os superficiais. Entregue a seus leitores conteúdos bem explicativos, em que eles possam aprender algo ou despertar um grande interesse em seu produto ou serviço.

Esqueça essa ideia de escrever artigos superficiais e que de nada acrescentam aos seus leitores. Escreva-os porque você quer mostrar que é um mestre em conhecimento e quer compartilhar boas ideias com quem simpatiza com você e sua marca.

5. Tire proveito da teoria da cauda longa

Sem dúvida, ela é sua grande aliada.

O problema com palavras-chave “grandes e gordas” é o fato de elas serem as mais competitivas no mundo do ranqueamento para o marketing de conteúdo. Em vários casos, é muito mais viável investir em outras palavras que também estão relacionadas ao assunto do seu texto e que são mais fáceis de ranquear nas ferramentas de busca.

Frases longas podem até trazer um volume menor de resultados na hora da pesquisa, mas a qualidade do tráfego aumentará, uma vez que os visitantes estarão mais motivados e propícios à conversão.

6. Dê atenção a seus leitores e responda a todos os questionamentos

Se seus leitores ou prospects tem perguntas a fazer a respeito de seus produtos e serviços, provavelmente eles irão procurar respostas através do Google. É ai que você deve entrar em ação e fazer uma listagem de todos esses questionamentos, respondendo cada um deles através de conteúdos aprofundados que serão postados no blog da sua empresa.

O que isso garante? Eles visitarão sua página com maior frequência.

Dê a eles o que procuram através de conteúdos mais bem elaborados do que os da sua concorrência.  É respondendo a essas perguntas que você garantirá vantagens através da cauda longa.

7. Faça com que seu conteúdo seja notado e compartilhado

O compartilhamento de seu conteúdo na rede fará com que ele seja visto por um maior número de pessoas e garantirá o aumento de tráfego em sua página. Além disso, o Google interpretará que sua página é relevante e popular.

Fazendo sua parte, é possível que sua empresa alcance novos horizontes através de fóruns, influenciadores, newsletters e os já suspeitos Facebook, Twitter, LinkedIn e muitos outros.

8. As tags e os snippets continuam reinando

Você sabia que o título de suas #tags é uma das primeiras coisas que o Google leva em conta na hora de categorizar uma página na web? E mais, a combinação entre as tags e os chamados “snippets” fortalecem ainda mais para que o público encontre a sua página.

Então não perca mais tempo. Faça com que os snippets soem sempre naturais e estejam focados em motivar seus leitores a concluir uma ação: o clique.

9. Não se esqueça de colocar imagens

As imagens possuem um papel cada vez mais importante no ranqueamento do Google. Lembre-se de utilizar aquelas que são mais relevantes e que estão relacionadas ao assunto do conteúdo que você escreveu, não se esquecendo de incluir algumas palavras-chave na hora de salvá-las.

Não se esqueça de que quanto menor ela for, maior será a chance de o Google “ler” e aumentar suas chances.

Dica: Inclua uma palavra-chave relevante no arquivo de imagem.

10. Inspire-se através de outras fontes

Assim como mencionado em uma das dicas anteriores, usar palavras-chave similares aos assuntos que você escreve, sinônimos e variações gramaticais é sempre uma boa forma de alavancar seu conteúdo, deixando-o ainda mais completo.

Dica: Use a ferramenta de sugestões do Google para encontrar novas palavras-chave ou o Ubersuggest.com para encontrar ainda mais ideias.

E você, qual dessas dicas achou ser a mais útil? Quer compartilhar mais dicas de SEO com outros profissionais e leitores?

Escreva no campo de comentários abaixo!

 
Autor(a)

Escrito por: Redator Rock Content Este artigo foi produzido por um dos mais de 5000 redatores da base da Rock Content. Quer conteúdo legal assim no seu blog? Fale com um consultor!



    Deixe um comentário

    Certificações em Marketing Digital - Universidade Rock Content
    Vagas em Marketing e Vendas - Rock Jobs
    Ebook Inbound Marketing - O Guia Definitivo

    A Rock Content é líder em marketing de conteúdo no Brasil. Ajudamos centenas de empresas a atingirem seus objetivos de marketing. Queremos ajudar você também!