foursquare

Foursquare: conheça a história dessa rede social e o que aconteceu com ela

Você conhece o Foursquare? Essa rede social já foi muito usada, mas atualmente não é tão conhecida. Entenda tudo sobre ela.

Você provavelmente já foi convidado a fazer um check-in no Foursquare há alguns anos. Em meados de 2012, era muito comum que os eventos estimulassem essa ação.

Então, você estava em seu restaurante favorito ou naquela festa épica e, com um clique, revelava a todos os seus amigos a sua localização. Como recompensa, eram oferecidos descontos, brindes, bebidas…

Passado algum tempo, essa prática se tornou mais rara, até chegar o ponto de quase extinguir.

Na lista mais recente de redes sociais mais usadas no Brasil, o Foursquare sequer aparece entre as 11 primeiras.

Mas por quê? A rede social faliu? As pessoas simplesmente se esqueceram dessa plataforma? Os donos do Foursquare foram abduzidos por alienígenas?

Se você ainda tem dúvidas sobre o que aconteceu com o Foursquare, não se preocupe.

Neste artigo, você saberá tudo sobre essa famosa rede social, além de descobrir alternativas para substituí-la nos dias de hoje! Acompanhe!

Um pouquinho de história. Afinal, o que é o Foursquare?

Lançada em 2009 por Dennis Crowley e Naveen Selvadurai, a rede social tem o objetivo claro de aproveitar a ascensão dos smartphones e da internet móvel ao redor do mundo.

Focada na tecnologia de geolocalização, une as funcionalidades do sistema de GPS com a interatividade das redes sociais.

Mas, talvez, o grande diferencial do Foursquare seja a comunicação entre o usuário e o ambiente, algo que na época do lançamento era uma inovação.

No início, a ideia era aplicar o sistema de gamificação.

O desafio funcionava da seguinte maneira: as pessoas iam aos locais, faziam check-ins e aquele que repetisse a ação por mais vezes, tornava-se o prefeito do local.

Legal, né?

Ambos os conceitos são muito utilizados até hoje em estratégias de marketing digital, provando que as ideias da dupla de empreendedores seriam aproveitadas por longos anos.

O que é um check-in?

Um usuário podia dizer aos amigos que está em determinado local usando a aplicação, que é vinculada ao Twitter e ao Facebook.

Até hoje as plataformas citadas utilizam esse recurso, mas ele não está mais disponível no Foursquare. Você descobrirá o motivo mais à frente.

Apesar de os check-ins serem fundamentais na estratégia do negócio, o foco permanecia o mesmo: o jogo.

Havia um sistema de distintivos (badges), com acúmulo de pontos, que eram conquistados na medida em que visitavam diferentes locais.

Um parque de diversões podia representar uma conquista, ao passo que a ida a um restaurante significava outra.

Baladas, países, pontos turísticos, monumentos históricos, praias, eventos sociais… Cada localidade acrescenta mais pontos ao perfil do usuário.

Ou seja, um sistema de metas incrivelmente amplo (dada a quantidade de locais) e divertido, com um potencial incrível de engajamento.

Não é exagero dizer que o Foursquare é um dos jogos precursores do Pokemon Go, por exemplo.

A mudança de funcionalidades

Embora não fosse o objetivo original, com o tempo, os usuários passaram a utilizar o aplicativo como um guia cultural e gastronômico.

Isso porque seus recursos revelavam ao usuário os melhores locais para visitar a partir das avaliações e mostravam amigos próximos.

Não demorou para que a rede se tornasse uma das mais populares do mundo.

Para o consumidor, é uma ferramenta social excelente.

Você pode estar considerando visitar um local. Basta entrar no aplicativo e ver as recomendações, observando as notas dadas pelos próprios usuários, além de conferir fotos e outras informações.

Tudo isso de maneira personalizada, com dicas baseadas em lugares próximos e histórico de locais visitados.

Também é possível saber onde está o seu amigo, o que facilita e estimula os encontros.

Ele vive!

Você reparou que, muitas vezes, utilizamos o tempo presente para falar da plataforma? Pois é, não é por acaso.

Sim, o Foursquare ainda existe e é muito popular em diversos locais do mundo.

Não acredita? Então apresentamos alguns dados recentes:

  • 10 bilhões de check-ins realizados no total;
  • 600 milhões de fotos compartilhadas no total;
  • 87 milhões de dicas;
  • 100 milhões de locais registrados;
  • 1,3 milhões de páginas de negócios;
  • 55 milhões de usuários ativos em 2015;
  • disponível para Android, iOS, Windows Phone, Blackberry, watchOS e Pebble.

E, caso você ainda tenha alguma dúvida:

  • 9 milhões de check-ins diários em 2016 no Swarm

“Peraí, Swarm? Que diabos é isso?”, você deve estar se perguntando.

Fique calmo. A seguir, fique sabendo o que é isso e a sua importância nessa história.

O que aconteceu com o Foursquare?

Em 2014, a rede social passou por uma drástica mudança. Ela dividiu suas funcionalidades entre dois diferentes aplicativos.

Um deles preservou o nome Foursquare (ou City Guide), que manteve o objetivo de descobrir novos locais e servir como um guia para viajantes ou pessoas que procuram lugares para sair, contando com a contribuição dos usuários para avaliações.

Já o outro foi nomeado Swarm (promessa feita é promessa cumprida), e ficou a cargo da gamificação e do sistema de check-ins.

Portanto, fica fácil perceber as aplicabilidades dos apps a partir de então.

Enquanto o Foursquare é uma ferramenta de viagens, o Swarm mira a interação entre amigos. Um focado em usabilidade, a outra na socialização.

Apesar da separação, eles continuam sendo complementares e possuem até mesmo botões integrados.

E no Brasil?

Até agora você viu que o Foursquare permanece de pé, apenas separou-se em aplicativos diferentes.

Mas e no Brasil? Por que ninguém mais utiliza essa ferramenta?

Em 2012, o País era o mercado mais importante da América Latina, crescendo 800% em apenas um ano. Na época, cada usuário fazia de 10 a 15 check-ins por dia.

O fato é que os brasileiros não compraram muito bem a ideia de ter dois aplicativos para realizar ações que, antes, eram realizadas em apenas um.

Assim, muita gente não apenas não baixou o Swarm, como deletou o Foursquare do celular.

O futuro do Foursquare

Não dá para negar que o Foursquare não se tornou aquilo que se previa no início.

Para se ter uma ideia, ele foi avaliado entre 250 e 300 milhões de dólares em 2016, menos da metade do que valia em 2013.

Isso gerou uma série de dúvidas. Se você acessar fóruns especializados, verá que regularmente há alguém especulando o fim do aplicativo.

Apesar disso, o CEO atual, Jeff Glueck, afirma que a empresa nunca esteve tão bem. Acontece que o modelo do negócio mudou.

Hoje, ele é voltado muito mais à análise de Big Data, que será tratado no próximo tópico.

A plataforma mais uma vez se adaptou, algo muito comum entre organizações voltadas à tecnologia da informação.

E como essa rede social ajuda nos negócios?

Não é possível manter um serviço sem um plano de estabilidade.

Você deve ter percebido que, ao longo dos anos, o Foursquare coletou uma quantidade vasta de dados, não é mesmo?

E não apenas dados demográficos, mas também comportamentais.

Pense bem.

É importante para as empresas saber os lugares que as pessoas frequentam, além de datas, horários, preferências gastronômicas, entre outras informações?

Resposta fácil, né? Não à toa, a rede recebeu uma ronda de financiamento de 46 milhões de dólares em 2016.

Hoje, o aplicativo oferece uma série de serviços a uma cartilha de clientes de respeito, que inclui players poderosos como Apple, Uber, Twitter, Pinterest, Microsoft, Yahoo!, WeChat e Samsung.

Algumas das principais atividades são:

Pilgrim

Com o Pilgrim SKD, as empresas utilizam a inteligência local para personalizar as experiências do usuário.

Um hotel, por exemplo, pode fazer sugestões de locais para passear, almoçar ou eventos aos seus clientes, baseando-se nas preferências do usuário.

Além disso, permite descobrir usuários próximos, enviando notificações de descontos e promoções.

Segundo a própria plataforma, essas funcionalidades aumentam em até 4 vezes o engajamento dos consumidores.

Pinpoint

A plataforma de anúncios do Pinterest permite a identificação de usuários, enviando anúncios segmentados para o público em momentos específicos.

Atributtion

O objetivo da atribuição é, por meio de estratégias online, conquistar conversões no mundo real. E, claro, permitir a análise de dados para medir a performance das campanhas.

Analytics

Com uma base de dados tão abrangente, é de se esperar que o Foursquare comercialize as informações.

Com elas, torna-se possível realizar ações específicas. Uma arma valiosa para negócios locais.

Viu como o essa ferramenta ainda pode ser muito útil para o seu negócio? Como esbanja em seu site, “o Foursquare é “empoderado” por pessoas, não algoritmos”.

Apesar disso, o número e profundidade de informações que a aplicação possui, mesmo com o usuário offline, ativa frequentes discussões acerca da privacidade do usuário.

Existem alternativas ao Foursquare?

Apesar de apresentar recursos incríveis, não dá pra negar que o Foursquare possui uma base de dados limitada no Brasil atualmente.

Se você procura outras opções, veja algumas das melhores a seguir:

Yelp

Apresentando um serviço semelhante ao Foursquare, o Yelp é um aplicativo muito popular no país.

Em resumo, serve para avaliar estabelecimentos comerciais. E ainda possui a função dos check-ins.

Facebook

A maior rede social do mundo também apresenta recursos de reviews em suas fanpages. Além disso, por meio do Facebook Ads, é possível filtrar usuários pela localização e preferências.

Waze

O sistema de GPS da Google para navegação comporta anunciantes. É uma ótima forma de atrair motoristas para o seu negócio em momentos pontuais.

TripAdvisor

Outra plataforma muito similar ao Foursquare e com uma boa base de usuários nacionais. Mesmo quando o segmento não é o turismo, é muito útil para negócios locais.

Kekanto

Presente em todos os municípios brasileiros (e grande parte da América do Sul), o Kekanto tem a função de guia para os consumidores.

Não restam dúvidas de que as aplicações baseadas em geolocalização estão cada dia mais eficientes.

Se antes era possível ter informações mais genéricas, relativas a países, cidades e bairros, hoje elas são mais específicas, trazendo dados sobre restaurantes, hotéis, academias e lojas.

E então, gostou do texto? Se você quer saber ainda mais sobre o marketing nas redes sociais, não deixe de conferir este artigo!

  • Beleza Online Pro Sobrancelhas

    Muito bom! Confesso que nem conhecia essa rede social. Achei bacana o estudo e as dicas.

    • Poxa, que legal! Se você começar a usá-la, não esqueça de contar pra gente os resultados, beleza?