geomarketing

Aprenda como fazer estratégias certeiras com o Geomarketing!

“Diga-me onde andas e te direi quem és!”

“Diga-me onde andas e te direi quem és!”

É com esse ditado – sim, levemente alterado em relação ao original – que começamos este post sobre geomarketing. Você sabe o que é isso?

Atualmente, as marcas usam uma informação valiosa para segmentar seus públicos, compreender o consumidor e melhorar suas campanhas de Marketing: a localização das pessoas.

Por meio do seu endereço IP ou do GPS ativado no celular, você oferece dados valiosos para as empresas sobre o seu perfil, seus comportamentos e interesses a todo o momento.

Por exemplo, se você esteve em diversos pubs no último mês, podemos entender que você provavelmente gosta de sair à noite com os amigos, certo?

Por isso, a frase inicial desse texto faz sentido no contexto do geomarketing: diga às marcas por onde você anda, e elas saberão quem você é!

Acompanhe nosso post para entender melhor esse conceito e como ele pode ser útil para as suas estratégias de marketing!

O que é geomarketing?

Geomarketing não é uma campanha, não é uma ferramenta, não é um canal.

Inicialmente, o conceito foi usado para descrever a estratégia das empresas de analisar as características do público de uma região para determinar a localização de uma nova loja física, as áreas mais promissoras em vendas ou a linha de atuação em cada local.

Porém, atualmente o conceito se ampliou, especialmente com o crescimento do marketing digital e do uso de smartphones, que acompanham a mobilidade das pessoas.

Hoje, geomarketing consiste em qualquer estratégia de marketing que englobe inteligência sobre localização para otimizar campanhas e alcançar o consumidor no local certo e na hora certa.

Portanto, para que estratégias de geomarketing funcionem, elas precisam do apoio do big data. Afinal, dados sobre localização dos usuários são a sua matéria-prima.

Por que geomarketing é importante?

Existe um aparelho, que vive grudado nas pessoas, que muita gente usa e que pode revelar a sua localização a qualquer momento. Adivinhou qual é? O celular!

Com um smartphone por perto e o GPS ativado, as marcas têm uma informação valiosa sobre você: a sua localização atual ou os lugares visitados recentemente.

Além disso, você pode não perceber, mas informa a todo o momento informações locais. Por exemplo, quando você faz check-in pelo Facebook em um restaurante, ou quando publica uma foto no Instagram e marca que estava em um parque.

Todas essas informações podem ser usadas pelas marcas em suas estratégias de marketing. Afinal, você fornece dados valiosos sobre o seu perfil e seus interesses, como dissemos no início do post.

Dessa forma, o geomarketing é uma maneira de otimizar suas campanhas, para que o conteúdo entregue em anúncios, mensagens, notificações, e-mails ou posts se torne mais relevante e preciso para o público.

Como usar o geomarketing

Com a evolução da tecnologia, as possibilidades do geomarketing estão aumentando, assim como os seus usos, que estão se tornando cada vez mais úteis e eficientes para as empresas.

Conheça algumas estratégias que os negócios estão usando para alcançar mais resultados:

Geotargeting

Provavelmente, a maneira mais conhecida de utilizar o geomarketing atualmente é o geotargeting, que é a estratégia de segmentar públicos de acordo com sua localização.

Assim, uma campanha pode ser segmentada de acordo com o país onde as pessoas moram, a cidade onde nasceram ou o bairro onde trabalham – desde que esses dados atendam aos objetivos da estratégia.

Por exemplo, se você tem uma gráfica na cidade de Curitiba, por que anunciaria para os moradores do Rio de Janeiro? O geomarketing permite filtrar apenas o público que interessa, oferecer conteúdos adequados a ele e trazer melhores resultados para suas campanhas.

Como fazer?

Critérios de segmentação geográfica são oferecidos na maioria das plataformas de mídia paga da web, como Google Adwords e Facebook Ads, que coletam os dados a partir do endereço IP dos usuários.

Você pode selecionar os locais desejados por país, região, estado e cidade. Em alguns casos, a plataforma oferece também opções de segmentação por CEP, bairro e raio de distância, além da estimativa de alcance para cada seleção.

Site personalizado

Talvez você já tenha acessado uma página e recebido uma notificação como essa: “esse site deseja saber a sua localização”. Mas por que ele quer saber isso?

Simples: para oferecer conteúdos personalizados a você, de acordo com a sua localização no momento. Portanto, esse também é um exemplo de uso do geotargeting.

Por exemplo, se você está na Espanha visitando um site do Brasil, pode ser que ele tenha uma versão do conteúdo em espanhol para mostrar.

Outros exemplos: se o site identifica que você mora no Rio de Janeiro, ele pode apresentar apenas anúncios de lojas da sua cidade. Em sites de e-commerce, a apresentação dos produtos também pode ser personalizada assim.

Como fazer?

Para o usuário, compartilhar sua localização com um site é opcional. Ele pode declinar a solicitação da notificação ou ainda configurar o navegador para que nunca permita o compartilhamento.

Então, saiba que essa informação nunca é garantida e, ainda, que a posição geográfica do usuário é estimada, não exata.

Para que ele decida se quer compartilhar sua localização, você deve sempre enviar uma notificação como a que citamos.

Para isso, é preciso ter um conhecimento mais avançado sobre programação. Você deve usar uma API de Geolocalização no código, para o navegador identificar sua solicitação e acionar a notificação para o usuário.

Geofencing

Esta estratégia consiste em oferecer conteúdo em tempo real de acordo com a movimentação do usuário, captada pelo GPS.

Assim, quando o dispositivo entra em uma área determinada pela empresa, a pessoa recebe um conteúdo por meio de uma notificação no celular, ou um e-mail, ou um SMS.

Quem está usando bastante essa estratégia é o Google. Usuários do sistema Android recebem informações sobre o trânsito em suas proximidades ou sobre o restaurante que estão visitando naquele exato momento.

Para negócios locais, essa é uma maneira eficiente de atrair novos clientes. Por exemplo, ao identificar que um consumidor está passando perto da sua loja, o comerciante pode disparar uma notificação com um cupom de desconto e incentivar que ele entre no estabelecimento.

Como fazer?

Para que o usuário receba seu conteúdo, você precisa primeiramente oferecer um aplicativo da sua marca. Então, ele deve baixar e autorizar o compartilhamento da sua localização e o recebimento de notificações e comunicações.

No desenvolvimento do seu aplicativo, você demarcará a área geográfica desejada e definir a mensagem que será enviada. Use a criatividade para despertar a atenção dos consumidores!

Check-ins

Nas redes sociais, existem diferentes recursos para usar o geomarketing, com o objetivo de engajar os consumidores, especialmente em negócios locais.

O recurso de check-in é um dos principais exemplos. Quando um usuário realiza check-in dentro do seu estabelecimento, você pode oferecer uma oferta, um desconto, um produto exclusivo, um brinde etc.

Essa estratégia se popularizou com os check-ins do Foursquare. Hoje, uma ideia bastante usada por restaurantes é oferecer acesso gratuito à internet mediante o check-in no local pelo Facebook.

Como fazer?

O check-in é uma ação do usuário, não da marca. Então, você pode apenas incentivar e facilitar esse trabalho para ele.

Para isso, crie uma página no Facebook na categoria Negócios Locais, com informações completas e corretas sobre seu endereço.

Assim, o aplicativo da rede social consegue identificar facilmente o usuário que está no seu estabelecimento e oferece a ele a opção de check-in.

No caso do Wi-Fi gratuito a partir do check-in, a configuração é feita no roteador. Veja as orientações do Facebook.

Geotagging

Geotagging é a marcação da localização do usuário em uma publicação. É comum que as pessoas usem esse recurso no Facebook e no Instagram, quando estão em um evento, em um estabelecimento ou fazendo turismo em outra cidade, por exemplo.

Assim, as publicações agregam mais informações sobre o local do usuário, e permitem que as pessoas descubram novos negócios através da experiência da sua rede de contatos.

Já para os negócios, o principal benefício é a divulgação espontânea da sua marca. Além disso, as publicações servem também como um feedback para o negócio, já que as pessoas relatam suas percepções sobre o estabelecimento.

Como fazer?

Assim como o recurso de check-in, geotagging também é uma ação que parte do usuário. Você pode apenas incentivar as marcações, criando ofertas e promoções para quem realizar a ação, e facilitar a identificação da sua localização.

Para isso, vale a dica que demos acima: crie uma página na categoria Negócios Locais e preencha corretamente o seu endereço.

No caso de eventos, o Facebook oferece automaticamente a opção de check-in para quem confirmou presença ou interesse.

Geofiltros

Outro exemplo de geomarketing nas redes sociais são os geofiltros, introduzidos pelo Snapchat. A possibilidade de inserir filtros em fotos e vídeos é uma das marcas dessa rede social.

No caso dos geofiltros, eles são disponibilizados ao identificar a localização do usuário pelo GPS. O nome da cidade e, algumas vezes, do bairro em que a pessoa está são carregados automaticamente.

Mas o mais interessante é que os próprios negócios podem criar geofiltros, com a identidade da sua marca, para quando os usuários estiverem no seu estabelecimento ou no seu evento.

Como fazer?

Em agosto de 2016, o Snapchat liberou a ferramenta de filtros sob demanda no Brasil. Assim, qualquer negócio pode criar e publicar seus filtros, sob a aprovação da rede. O valor mínimo para criar um geofiltro é de 5 dólares, que cobre uma área de 19 mil m² durante 1 hora.

Conclusão

Tempos atrás, a preocupação das empresas era voltada apenas para a localização do seu negócio.

Hoje, independentemente se você está bem localizado ou não, é preciso mirar o foco na localização do consumidor, para criar estratégias relevantes, criativas e eficientes.

Assim, a tecnologia baseada em localização abre um mundo de possibilidades para os profissionais de marketing.

Agora, já que estamos falando tanto na mobilidade do usuário, veja o nosso artigo completo sobre Mobile Marketing e sua importância nas estratégias de marketing digital!