marketing de conteúdo nas redes sociais

Aprenda a fazer Marketing de Conteúdo nas redes sociais como um profissional

Muitas marcas que entram pela primeira vez nas redes sociais, pensam que algumas postagens programadas no Facebook é ter uma estratégia de marketing de conteúdo. Esta é uma visão muito simplista e errada do que realmente é o marketing de conteúdo.

Muitas marcas que entram pela primeira vez nas redes sociais, pensam que algumas postagens programadas no Facebook é ter uma estratégia de marketing de conteúdo. Esta é uma visão muito simplista e errada do que realmente é o marketing de conteúdo.

Nas redes sociais é preciso pensar em Inbound Marketing. Ou seja, antes de postar é preciso saber exatamente o que seu público gosta e conquistá-lo pelos seus interesses com posts relevantes. E este é só o primeiro passo.

Ficou confuso? Calma que a gente vai detalhar tudo direitinho para você agora. Vamos explicar melhor o que é Inbound Marketing e quais são as principais estratégias de marketing de conteúdo nas  redes sociais.

Porque investir em marketing de conteúdo nas redes sociais?

A resposta para esta pergunta é simples: porque há milhões de pessoas presentes de alguma forma nas redes sociais. Hoje, o Facebook, Twitter, Instagram e Youtube fazem parte da vida dos consumidores e influenciam não só o comportamento deles, mas também a decisão de compra. Para você começar a ter uma noção da força das redes sociais, separamos alguns dados para você:

  • 1.28 bilhões de usuários ativos no Facebook
  • 50 milhões de páginas de marcas, empresas e personalidades no Facebook
  • Todos os dias são postados 500 milhões de tuítes
  • O Twitter tem mais de 1 bilhão de usuários. 46% deles tuitam, pelo menos, 1 vez por dia.
  • O Instagram tem 200 milhões de usuários ativos e mais de 20 milhões de fotos compartilhadas até hoje.
  • A cada minuto o Youtube ganha 100 horas de novos vídeos.
  • 6 bilhões de horas de vídeo são vistas todo mês no Youtube.
  • 300 milhões de usuários cadastrados no Linkedin em mais de 200 territórios
  • O Brasil é o terceiro maior público no LinkedIn.

Por trás de cada um destes número há uma grande oportunidade da sua marca melhorar sua imagem ou da sua empresa fechar negócio. Outra dado importante para convencer você a investir em rede social é este: 80% dos brasileiros pesquisam um produto antes de efetuar a compra. Isso significa que você tem a oportunidade de influenciar a decisão de compra de uma pessoa exatamente na hora que ela está procurando pelo seu produto.

Isso é o Inbound Marketing. É você preparado e munido de conteúdo para transformar uma pessoa em uma lead (prospecto de cliente), no exato momento que ela tem uma intenção de compra. Então mantenha-se relevante nas rede sociais com conteúdo que interesse seu público. Quando ele te achar, você vai estar pronto para fazer dele um cliente.

Algumas dicas para você criar um conteúdo de qualidade

A primeira dica para ajudar você na hora de criar um bom conteúdo é: seja expert do seu público. Saber o que ele gosta, qual rede social ele mais frequenta e quais assunto mais comenta, é o primeiro passo para criar um conteúdo de qualidade. Definir e conhecer suas personas é essencial. Se você não sabe o que elas são, acesse este conteúdo e descubra agora.

O segundo passo é você seguir a regra do Cocktail Party. Imagine que em uma festa, as pessoas que mais chamam atenção não são aquelas que falam apenas de si mesmas.

Para chamar atenção na rede social a regra é a mesma: você não precisa falar apenas de si mesmo ou do seu produto.

Na verdade, se você fizer isso, você vai soar bem egocêntrico. Compartilhe conteúdo de outras fontes, mas que sejam relevantes para seu público. Isso vai melhorar a qualidade da sua marca nas redes sociais.

Para guiar você durante a produção de conteúdo da sua marca, fizemos um guia rápido do tipo de conteúdo mais adequado para cada rede social. Você pode usar como checklist sempre que precisar.

Como produzir conteúdo para cada rede social?

Antes de tudo, é fundamental que você se pergunte: este conteúdo é realmente relevante para meu público? Você pode entender por “relevante” toda postagem (seja com imagem, texto, vídeo, gif etc.) capaz de solucionar uma dúvida ou atender a uma necessidade no momento exato em que ela surge no usuário.

Infelizmente não é possível estar ao lado de cada leitor ou curtidor de suas redes o tempo todo, mas, com um bom estudo de personas, você pode, pelo menos, prever alguns dos principais interesses do seu público e então encaminhar para fazer um conteúdo de relevância.

Personalize seu conteúdo para cada rede social. Postagens iguais espalhadas pela internet não farão bem algum ao seu negócio. Lembre-se de que o usuário que está no Facebook também está no Twitter, e vice-versa.

Suas redes sociais não podem ser exclusivas, mas sim complementares.

Interaja com outros perfis. Aqui funciona a regra do Cocktail Party que falamos lá em cima. Em uma festa, as pessoas que mais se destacam são aquelas que conversam com diferentes pessoas, sobre os mais diversos assuntos. Então não tenha medo de citar outros perfis ou compartilhar o conteúdo deles com um toque seu. Tudo que for relevante para seu público, é relevante para sua marca.

Abaixo selecionamos as principais redes sociais no Brasil e apresentamos algumas dicas de como criar conteúdos adaptados às suas especificidades. Quer se tornar um mestre na gestão dessas mídias sociais? Então o primeiro passo é agora:

Facebook

O queridinho das redes sociais dispensa qualquer apresentação, não é mesmo? Com mais de 110 milhões de usuários brasileiros registrados até junho de 2016, não seria de se espantar se todo público do seu negócio estivesse reunido nessa plataforma.

Produzir conteúdo para o Facebook não é tarefa complicada, principalmente porque a rede tem um incrível suporte de múltiplos formatos que aceita praticamente tudo do mais popular hoje em dia.

O difícil mesmo é saber articular tudo isso de modo estratégico, adequando-se ao seu estudo de persona e ao tom da própria empresa, sem desvirtuar demais do objetivo firmado na hora de montar sua estratégia de marketing de conteúdo nas redes sociais.

Lembre-se de que, independente da rede social, é fundamental que você se atenha ao foco do plano de marketing. Caso contrário, a medição de resultados será cada vez mais difícil.

Aproveite e confira agora nossas 6 dicas para a criação de conteúdo no Facebook:

1. Saiba usar o Live

Não faz muito tempo o Facebook adicionou a possibilidade de se fazer transmissões ao vivo pela rede. A grande vantagem é que, assim como todo novo recurso, essa alternativa tem um maior índice de rakeamento dentro da rede, ou seja, as chances de uma postagem feita no modo Live estarem no topo ou serem notificadas aos seus curtidores é bastante alta.

Fazer transmissões ao vivo é uma ótima maneira de estar mais perto de seu público. As possibilidades de geração de conteúdo com essa ferramenta são infinitas, portanto é importante estar em sintonia com sua persona para saber o que funciona melhor para ela.

Vídeos para responder perguntas ao vivo são uma ótima pedida para a época de lançamento de novos produtos. Essa é uma boa oportunidade de apresentar alguma novidade e ainda colher feedback dos usuários, aproveitando para sanar dúvidas e já se preparar para corrigir qualquer problema, caso ele seja encontrado.

Fazer Lives de shows e eventos também funciona muito bem, principalmente se o seu público é mais jovem. Está acontecendo alguma festinha na empresa? Aproveite para fazer uma Live e entrevistar algumas figuras icônicas. Sua empresa está patrocinando algum evento? Faça uma Live rápida cobrindo estandes e atrações, convidando-os a se juntar ao seu negócio.

Uma boa estratégia para conseguir o máximo de atenção em suas transmissões é combinar antes um horário com o público. Assim fica certo de que as pessoas já estarão atentas para a transmissão no horário que ela iniciar.

2. Otimize Links para postagem

Já reparou que os links que ficam em primeiro no seu feed geralmente estão dentro de uma caixa acompanhada de imagem, título e descrição? Pois é, isso não é à toa.

Com a otimização de links é possível postar seus principais endereços da web e embuti-los dentro do Facebook como se fizessem parte da própria estrutura de postagem da rede.

Para isso, utilize a ferramenta de debug do Facebook. Por ela é possível conferir os dados de um determinado link e então estabelecer como ele será exibido na timeline de seus curtidores. Não se esqueça também de adicionar os códigos Meta especiais no seu site, assim a captura de imagem e descrição será feita de maneira automática para o Facebook.

Pronto, agora você já pode compartilhar links com postagens de seu blog ou website e garantir que a página do Facebook permaneça alimentada com conteúdo novo para seu público.

3. Participe se quiser participação

Quer que as pessoas engajem em sua página? Então, antes disso, é preciso que você engaje com o seu público.

Alguns ótimos exemplos podem ser encontrados com fatura pelo próprio Facebook. A página da Netflix, ou da Prefeitura de Curitiba, são ótimos exemplo de um social media bem feito e voltado para o engajamento com o público.

Observe como as páginas respondem aos comentários feitos e interage com o seu público de maneira leve e inteligente, sem nunca perder o tom da linguagem e sendo útil e interessante ao mesmo tempo.

Esse tipo de interação motiva os usuários a manter o contato com alguma constância, além de ajudar suas postagens a se manterem no feed dos amigos dos curtidores de sua página, como sugestão do próprio Facebook.

4. Tenha postagens de engajamento

Além de interagir nos comentários, é possível também chamar os usuários para engajar com o seu conteúdo por meio das próprias ferramentas oferecidas pelo Facebook.

Um modelo bastante comum é o de “Curte ou compartilha” que começou um tanto antes do Facebook inserir a funcionalidade de “reações”.

Com esse tipo de postagem é possível fazer votações sem recorrer ao modelo de enquete (que, convenhamos, ainda precisa ser melhorado), além de garantir que o público interaja e ainda coloque seus posts no topo do feed alheio.

Saiba também que é possível realizar concursos e eventos na sua página (lembre-se sempre de conferir a lei N°5.786 antes de pensar em distribuir prêmios!) para conseguir mais curtidas e aproveitar para divulgar o seu produto. Hoje em dia não é permitido colocar o compartilhamento como parte decisiva de um sorteio, mas não custa nada pedir, por favor, que os usuários divulguem a promoção por aí.

Engajamento é muito importante para todo perfil em rede social, além de ser um ótimo termômetro para saber o que está ou não fazendo sucesso.

5. Atenha-se às regras de boa conduta

Já ouviu falar de etiqueta no Facebook? Essa expressão é muitíssimo válida no dia a dia e, principalmente, para empresas. Algumas das regras básicas incluem:

  • Não “floodar”, ou seja, não postar conteúdos repetidos em um intervalo curto demais.
  • Estar atento para conteúdos sensíveis para algum grupo. Faltar nesse cuidado pode comprometer sua página para sempre.
  • Estar atento às regras do Facebook a respeito de conteúdo para maiores de idade.
  • Evite usar imagens com direito autoral sem a prévia autorização do responsável.
  • Não implore por curtidas em sua página. Em vez disso, preocupe-se em fazer postagens de qualidade e logo os likes virão.
  • Não exagere nas #Hashtags.
  • Cuidado com boatos e não os divulgue sem antes conferir fontes.
  • Evite bate-boca ou conflitos desnecessários nos comentários.
  • Tenha uma política definida para lidar com Trolls e comentários criminosos.

Estar atento a esse tipo de conduta ajuda, e muito, na hora de definir a experiência do usuário na sua página. Você não vai querer que algum usuário saia ofendido por um descuido seu, não é mesmo? Isso pode acabar alastrando e prejudicando, para sempre, a reputação de seu negócio.

6. Facebook e o paraíso do UGC

UGC, ou User Generated Content, é todo conteúdo gerado por usuário sem que tenha havido o patrocínio da empresa por trás disso.

Investir no UGC depende, antes de tudo, que o seu negócio saiba como gerenciar o engajamento e incitar a participação dos curtidores de sua página. São várias as maneiras de se conseguir bom conteúdo gerado pelo usuário: você pode checar tags específicas pela busca, pode buscá-las nos comentários da página etc.

A maneira mais rápida, porém, é convidar os leitores e usuários a participar de sua página a e contribuir com conteúdos próprios que possam ser reaproveitados para suas postagens. Isso inclui depoimentos, opiniões, ilustrações fotografias e tudo mais o que possa ser produzido.

Outra alternativa para conseguir conteúdo gerado pelo usuário é criando concursos e eventos em que as pessoas sejam chamadas a postar fotos com seus produtos, por exemplo, ou criando alternativas de uso para ele.

Algumas empresas, geralmente no ramo de sanduíches e pizzarias, costumam convidar os consumidores a criar seus próprios sabores. Depois desses eventos, as opções mais votadas ganham um espaço no cardápio. Esse é um ótimo exemplo de como o UGC pode ser incorporado no seu negócio, mobilizar o público e ainda ajudar no fortalecimento do seu negócio.

No mundo digital não precisa ser diferente, basta que você encontre alguma brecha para fazer uso dessa ferramenta de maneira criativa!

Linkedin

Por ser uma rede social corporativa, o LinkedIn acaba enganando as pessoas a respeito do tipo de conteúdo que pode ser postado e produzido para sua plataforma.

Claro que existem um tom mais sério quando o comparamos ao Snapchat ou Twitter, mas isso não significa que todas as suas postagens precisam ser formais ou rígidas em excesso.

Saber dosar é a chave para o sucesso, principalmente se sua empresa não é formalíssima, como costumam ser as voltadas para o ramo de advocacia e negócios.

A seguir vamos dar algumas dicas para produzir conteúdo para sua conta no LinkedIn, confira!

1. O que postar no LinkedIn?

Essa provavelmente é a maior dúvida de quem acaba de chegar na rede. O visual sisudo e as poucas opções de customização logo deixam claro que o LinkedIn está longe de ser tão versátil quanto o Facebook, ou tão descolado quanto o Instagram. E então, o que postar nessa rede?

Um dos conteúdos com maior procura no LinkedIn é a respeito de dados e insights de grandes nomes do mercado. Conseguiu aumentar o tráfego no seu negócio? Duplicou o quadro de funcionários? Conquistou todas as metas do ano? Esteja certo de que esse tipo de postagem é perfeitamente adequada para a plataforma do LinkedIn.

Mas é claro que não é só isso. Pelo perfil de sua empresa você pode (e deve!) postar anúncios sobre vagas, mudanças na empresa que possam interessar ao público, novidades na administração e tudo mais que possa fazer inveja na concorrência.

E, apesar de tudo isso, não é necessário que você se atenha ao ultra formalismo. Sua empresa pode ser leve, engraçada e tudo o que ela já é sem perder o contexto do LinkedIn.

2. Engajando em discussões

Outra ótima maneira de usar o LinkedIn para sua empresa é proporcionar espaços para discussões (e engajar nelas).

Ouviu alguma notícia na área dos negócios? Discorda de algum dado apresentado por outro negócio? Concluiu uma pesquisa e agora tem informações exclusivas sobre o mercado?

Tudo isso abre margem para ótimas discussões online, que podem acabar gerando conteúdo suficiente para novas postagens no seu blog ou website. O público sempre está disposto a discutir e defender algum ponto de vista, só precisa do material necessário e do espaço propriciado.

Mas atente-se para as regras de boa conduta. As mesmas do Facebook valem aqui, e evitar conflitos não-construtivos deve ser sua prioridade a todo instante. Cuidado com trolls e usuários maliciosos, e esteja sempre pronto para excluir algum comentário inapropriado.

3. Incluindo o SlideShare

Uma das funções exclusivas do LinkedIn é a sua integração do SlideShare. Ele funciona quase que como o famoso Power Point, e serve para compartilhar apresentações, infográficos, documentos, vídeos, PDFs etc., tudo online!

Essa é uma ótima maneira de exibir os dados e informações de performance de sua empresa, aproveitando-se do visual para reforçar os resultados e tornar o conteúdo de muito mais fácil digestão.

Para incorporar seu conteúdo do SlideShare no LinkedIn, basta acessar a página do arquivo subido, clicar no ícone de compartilhamento de documento e obter o código para compartilhamento, que pode ser colado diretamente na postagem no LinkedIn.

Lembre-se que é possível controlar o tamanho do Slide e adequá-lo ao formato do seu conteúdo, buscando a melhor experiência de consumo possível para seus visitantes.

Não só isso, o SlideShare é repleto de alternativas para a geração de leads, controle de acessos e outras ferramentas que podem ajudar no monitoramento de sua estratégia de marketing e coleta de resultados cada vez mais assertivos. Vale testar a funcionalidade e conferir se ela é adequada para seu negócio.

4. Guest posting como chave para o sucesso

Você sabe o que é guest post? Esse é o nome dado para artigos postados por convidados em sua rede ou blog, geralmente com o objetivo de contribuir para o site e gerar tráfego para ambos os lados.

No LinkedIn essa prática é muito valorizada, e você pode aproveitar do funcionamento da rede para divulgar seus guest posts em outros sites (e cobrar que o site faça o mesmo, ganhando também na divulgação do seu nome).

Aproveite também da estrutura do LinkedIn para buscar parceiros de guest posting. São vários os nichos atuantes na rede, e por meio dos grupos, pontos de discussão e contatos da rede você com certeza encontrará alguém com um blog ou site ideal para seu próximo post.

Instagram

O Instagram é uma das redes sociais que enfrentou maiores mudanças nos últimos anos. Com a adição do Stories, o app ganhou uma cara completamente diferente, batendo de frente com o Snapchat, que apresentou o formato de mensagens com auto-destruição alguns anos antes (e já estava caindo no gosto da população).

Dito isso, é importante que você saiba que o Instagram é hoje a melhor rede social para trabalhar com produtos imagéticos como roupas, calçados, fotografia, maquiagem e tudo mais que depende fortemente do visual para ser promovido.

Dominando o Instagram você estará muito mais perto do sucesso dentro de uma estratégia de marketing de conteúdo nas redes sociais. Portanto, preste bem atenção nessas 4 dicas de como produzir conteúdo capaz de trazer resultados reais para seu negócio:

1. Saiba utilizar as #Hashtags

Hashtags são usadas, principalmente, para a categorização de fotos dentro do Instagram, facilitando na descoberta de conteúdo dentro de uma temática específica e auxiliando na exibição e busca por aumento de tráfego orgânico na sua rede.

Saber usar as hashtags é fundamental para quem quer fazer sucesso no Instagram, uma vez que será essa a sua primeira porta de entrada para novos usuários e interessados nas fotos e conteúdos postados.

Cuidado com o excesso. Entupir suas fotos com hashtags aumentará o alcance na rede, mas aumenta também as chances de que usuários não relacionados ao seu negócio venham a curtir sua página, desperdiçando um potencial que poderia ser melhor aproveitado pela correta disposição das tags.

Aproveite também de hashtags de discussões para acrescentar conteúdo personalizado. Essas são aquelas tags relacionadas a assuntos específicos (e do momento), que volta e meia sobem no Instagram para reunir grupos de interesse.

Na eleição presidencial americana, por exemplo, a tag #election2016 foi altamente compartilhada, e todos que postavam utilizando esse marcador engajavam em discussões a respeito do tema.

É possível inserir seu negócio em discussões relevantes e fazer contribuições para que o tema cresça e sua empresa se posicione de maneira positiva para sua imagem.

2. Instagram Stories

O Instagram Stories foi recentemente adicionado ao Instagram como uma atualização pronta para desbancar o, até então, concorrente Snapchat. Acontece que essa nova funcionalidade chegou com tudo, e resgatou muitos dos usuários que haviam debandado para o outro app.

Ele funciona assim: Você tem uma timeline paralela à do Instagram tradicional, e nela é possível adicionar fotos e imagens que tenham a duração prevista de 24 horas. E pronto.

Assim como o Snapchat, essa funcionalidade é ideal para a postagem de making of e bastidores da criação de produtos, eventos, festas e tudo mais que acontece no dia a dia de sua empresa.

Aproveite do Stories para fazer também reviews, entrevistas curtas e rápidas e mostrar novidades no negócio que não demandem um post inteiro para isso.

3. Repost e UGC no Instagram

O Instagram também é ótimo para a repostagem de conteúdo de terceiros e usuários interessados no seu negócio (o já mencionado UGC – User Generated Content). Para isso, você pode usar de aplicativos satélite, como o Regram ou Repost, por exemplo, e garantir o recompartilhamento de conteúdo.

Escolha o conteúdo de maneira inteligente. Foque em imagens que valorizem o seu produto, feedbacks positivos ou mesmo fotografia de influenciadores que tenham alguma relação com o seu negócio.

É possível convidar os usuários a postar fotos e marcar a sua empresa, com a promessa de compartilhar as melhores no seu perfil. Assim você garante algum tráfego para a sua conta e ainda dá visibilidade para os usuários fãs do seu negócio.

4. Promova seu conteúdo

Aproveite do Instagram para promover também o conteúdo de outras redes sociais. Postou algum artigo novo? Tire uma foto ou prepare uma imagem relacionada e anuncie para seus seguidores.

Você pode disponibilizar os links para a postagem original, indicar na sua bio o endereço da Home Page, ou apenas anunciar a nova postagem no Instagram.

Aproveite para integrá-lo às suas outras redes sociais, como o Facebook e Twitter, e compartilhe tudo de novo nessas redes, cuidando apenas para não se tornar excessivamente repetitivo. Spam não faz bem para ninguém e só afasta seus seguidores!

Youtube

O Youtube hoje conta com uma média de 82 milhões de usuários ativos no Brasil, e isso contando apenas aqueles regulares, que assistem vídeos como parte de sua rotina. Com esses números garantimos o segundo lugar no ranking de países que mais fazem uso da rede, o que significa que sua empresa não pode ficar de fora.

Sem sombra de dúvidas, essa é, atualmente, a plataforma mais popular para vídeos, desbancando fácil alguns concorrentes como o Bing Video, MSNVídeos e Vimeo.

A rede passa por constantes atualizações, principalmente a respeito de suas políticas internas, por isso é importante estar atento a qualquer mudança na hora de assegurar a permanência de seus vídeos em sua plataforma.

Considere também assistir muitos e muitos vídeos, independente de ser de sua concorrência ou não. É preciso que você se torne intimo da linguagem do Youtube, que não aceita má qualidade no visual e muito menos no conteúdo.

Quer saber sobre como produzir para essa rede? Então aproveite nossas 3 dicas:

1. Descubra o formato ideal de vídeos

O que o seu público mais curte? Tutoriais, bastidores, música, palestras, jogos ou vlogs? Existe uma infinidade de formatos que podem ser explorados no Youtube, e vários outros ainda a serem descobertos, basta que você ouça sua persona (e pesquise na concorrência), para entender o que dá ou não certo no seu nicho.

Para isso, é possível levar em consideração alguns fatores que ajudam na hora de definir o formato:

  • Sua persona utiliza mais o PC ou mobile para assistir vídeos?
  • Qual o tempo médio de permanência de sua persona no Youtube?
  • O que os influenciadores de seu mercado fazem no Youtube?
  • Quanto você pode investir na produção de seus vídeos?

Com essas informações em mãos você já pode começar a delinear o formato do seu canal do Youtube e como funcionarão os seus vídeos. Caso esteja ainda incerto sobre o tipo de vídeo ideal, lembre-se sempre que é possível fazer experimentações até entender o que sua persona realmente curte no Youtube. Você pode sempre mudar ou alterar os formatos no futuro, afinal de contas, é na experiência que você poderá otimizar o conteúdo para seu usuário.

Busque pelos canais mais populares hoje em dia (Porta dos Fundos e Galinha Pintadinha são dois grandes nomes no Youtube Brasil), entenda sua lógica de funcionamento, avalie a qualidade da imagem, som etc. e monitore o processo de divulgação dos vídeos em outras redes sociais.

Os públicos provavelmente serão diferentes, mas você tem a chance de entender o que está fazendo sucesso e como esses conteúdos estão sendo formatados.

2. Conte uma história

Nem só de vídeo institucional vive uma empresa. Observe os grandes nomes da propaganda nos últimos anos e você verá que boa parte delas tinha foco muito além do simples anúncio do produto, mas sim na contação de uma história.

Boa parte do tempo, é justamente isso que o público está procurando, e não apenas em vídeos, mas também em textos, ilustrações, fotografias e até áudio.

Uma boa história é capaz de ensinar, anunciar e, claro, prender o espectador no seu conteúdo, convencendo-o a voltar no futuro para ter mais.

Pense em como o seu produto pode protagonizar uma história, como ele pode compor um cenário, ou como ele pode resolver um problema. Assim fica muito mais fácil desenvolver um roteiro ao seu redor, preparando um conteúdo realmente capaz de sensibilizar, entreter e, quem sabe, engajar em outras redes também.

3. Utilize bem as anotações e legendas

As anotações e legendas do Youtube são uma outra maneira de incrementar o seu vídeo, e podem ajudar a contar uma nova história ou a otimizar o seu conteúdo.

Além de legendar em múltiplas línguas, você pode usar a criatividade e direcionar o usuário para outros vídeos relacionados ao longo de um principal.

Um clássico exemplo é a produção de vídeos de final interativo. Esse tipo de produção permite que você utilize as anotações do Youtube para selecionar diferentes redirecionamentos de conteúdo, sempre focando no storytelling e suas escolhas dentro de um conto.

Seja criativo na hora de inserir anotações no seu conteúdo, e não tenha medo de ousar. No final das contas, é tudo experiência na sua própria produção.

Snapchat

O Snapchat é a 10ª rede social mais usada no país e, com mais de 100 milhões de usuários ativos diariamente, essa já pode ser considerada uma febre entre os adolescentes e jovens adultos.

O app não é lá muito intuitivo, mas se você já sabe como o usar o Instagram Stories, já pode se considerar um iniciado na arte de dominar o Snapchat. Ambos os aplicativos compartilham funcionalidades, com pequenas variações que os tornam únicos, mas já é um bom começo para quem nem sequer clicou no seu ícone amarelinho.

No Marketing de Conteúdo, o Snapchat pode ser um ótimo acompanhante. Apesar de não conseguir levar, sozinho, o nome de uma empresa, ele é perfeitamente capaz de complementar estratégias em quaisquer outras redes sociais.

O que o torna tão diferenciado é que não existe a possibilidade de encontrar a sua conta por meio do conteúdo. No Snapchat a adição de um usuário depende de você já possuir o seu nome de usuário, daí a necessidade de pareá-lo com outra rede social.

Quer saber como produzir conteúdo nessa rede social? Então aproveite para conferir nossas 5 dicas:

1. Invista no Making Of

Você provavelmente já ouviu falar disso em algum lugar, mas vale sempre reforçar: o Snapchat é uma ótima ferramenta para mostrar o “por trás das câmeras” do seu negócio.

Isso porque, levando em consideração o público que costuma fazer uso desse app, é mais comum encontrarmos um tom leve, quase que “descolado” para as postagens populares nessa rede.

E quer algo mais legal do que mostrar como funciona o seu negócio, com foco nas pessoas e no dia a dia da empresa? Promova conteúdos desse tipo, que mostrem produtos em fase de preparação, escritórios em dias comuns, festas e celebrações da empresa, eventos locais e até mesmo pequenas entrevistas com seus funcionários.

Esse tipo de postagem é especialmente útil na hora de se aproximar do seu público e melhorar a imagem do seu negócio, posando como uma empresa muito mais humana.

2. Trabalhe com influenciadores

Sabe aquela web-celebridade com milhares de seguidores no Snapchat? Aproveite de sua popularidade para interagir com seus snaps diários. Vale de tudo: oferecer o seu produto para que ela grave vídeos de demonstração, responder a snaps e estabelecer conversações, patrocinar alguém que tenha relação com o segmento do seu negócio etc.

Como o Snapchat não armazena o seu conteúdo para que seja assistido no futuro, é precisa estar sempre ativo, e garantir que o alcance se expanda por outros usuários em diferentes grupos sociais.

3. Divulgue conteúdo promocional exclusivo

Não deixe, porém, que o Snapchat seja apenas uma muleta da sua estratégia de marketing de conteúdo. É preciso que sua conta ofereça conteúdo novo e constante, mas, acima de tudo, adaptado às especificidades do Snapchat.

Por isso, essa rede é uma das poucas em que você pode oferecer cupons e códigos promocionais com expiração automática de 24h! Funciona assim: Você define um código de cupom para sua loja virtual, fotografa esse código e estabelece um limite de uso (por exemplo, para apenas os 10 primeiros compradores).

Isso manterá seus contatos curiosos e bem mais atentos às suas próximas postagens. Estabelecendo um ritmo regular de postagem de cupons, você não só estimula essa interação constante como também dá um gás para as vendas!!

4. Customize seus snaps

O Snapchat tem uma infinidade de recursos que permitem a customização de seus snaps. O grande trunfo da rede, inclusive, é a variedade de filtros animados que são constantemente atualizados de acordo com datas temáticas ou eventos que patrocinam o app.

Portanto, não insista em postar vídeos ou imagens “peladas”, aproveite das opções de filtros, informações, emotes, legendas e montagens que podem ser postos, sempre cuidando para manter um padrão médio na sua linguagem – mesmo a visual!

Assim você facilita a comunicação e dá um tom mais divertido ao seu conteúdo.

5. Foque no StoryTelling

Mesmo no Snapchat é possível investir em Storytelling. Lembre-se que seus snaps são postados em ordem cronológica, e exibidos aos usuários como uma enorme timeline sequencial.

Use de sua criatividade, e organize suas postagens de modo que elas sejam capazes de engajar e contar uma história ao mesmo tempo.

Você pode fazer postagens consecutivas ou mesmo contar algo com snaps bem espaçados, obrigando o usuário a sempre voltar e conferir o que você está postando. O que vale aqui é a criatividade!

Google Plus

Aqui no Brasil o Google+ nunca foi uma opção muito atraente. A rede demorou a aparecer e logo teve de competir com Facebook e Twitter, que cresciam vertiginosamente no país.

Mas, por incrível que pareça, a rede está entre as mais utilizadas pelos Brasileiros, fazendo sucesso entre pessoas de 45 a 60 anos e apresentando números crescentes de utilização de suas funcionalidades.

A maior vantagem do Google+ é a sua capacidade de integração com os outros produtos Google (buscas, Youtube, Hangout, e-mail etc.) que, como sabemos, são os mais utilizados ao redor do mundo.

Quer saber como produzir conteúdo adaptado especialmente para essa rede? Então aproveite de nossas 3 dicas:

1. Crie círculos de interesse

Círculos são o coração do Google+. Esse é um recurso encontrado apenas nessa rede, e amplamente usado por alguns setores como engenharia e grupos de discussão de cursos online. O mais curioso, porém, é o fato dessa ferramenta ser realmente popular apenas entre adultos – provavelmente entre pessoas que já possuíam o Gmail na época do lançamento do Google+.

Para criar círculos, ou grupos abertos de discussão, você pode acessar a página principal do Google+, acessar a aba de círculos e, em seguida, partir para a criação e customização do seu círculo.

Nesse início é possível já adicionar as pessoas que você acredita que acrescentarão à conversa. A vantagem aqui é que você não precisa ter a pessoa como seu contato na hora de adicioná-la aos círculos. Claro que sua atualização não aparecerá logo na timeline principal, mas ainda chegará em formato de nota para que a pessoa confira no futuro.

O ideal, na verdade, é que as pessoas manifestem interesse antes de serem adicionadas, mas, caso queira experimentar, é possível pegar um atalho e sair adicionando nomes que você acredite serem interessantes pra aquele círculo.

Essa é uma ótima alternativa de chamar um público diferenciado para conferir o seu grupo, mas precisa ser feito com moderação.

Assim que estiver pronto, você já pode começar a compartilhar seu conteúdo (principalmente os relacionados aos produtos da Google) e a alimentar o engajamento nessa rede.

2. Nutra comunidades

O Google+, graças ao tipo de público que costuma frequentá-lo, fica entre o Facebook e o LinkedIn em termos de linguagem e grau de formalidade.

O tom de sua empresa precisa ser algo consistente, mas aqui no Google+ é possível variá-lo de acordo com o tipo de usuário presente no seu círculo.

Por isso, opte por produzir conteúdo exclusivo para o Google+ em vez de apenas copiar imagens ou gifs postados no Instagram e Facebook.

Opte pelo compartilhamento de postagens já feitas no seu blog, de vídeos subidos na conta do Youtube (é possível tornar essa ação automática!) e levantamento de tópicos de discussão para o círculo, instigando-os a participar e a contribuir.

3. Faça Hangouts

O Hangout funciona como Skype, permitindo que você faça transmissões e chamadas em vídeo ao vivo para contatos específicos. No último ano o seu formato mudou para o Youtube ao Vivo, aproximando muito mais do modelo do Facebook Live do que no passado.

A vantagem do Hangout (que também funciona como um app separado para smartphones, e, nesse formato, sem associação com o Youtube) é que você pode criar grupos de usuários (até 150 por chamada) para participar de um bate papo, permitindo também que sejam enviados fotos, mapas, emotes, adesivos, gifs e, claro, vídeos.

Dentro do Google+ é possível sincronizar os serviços do Youtube ao Vivo, chamando os usuários a participar de suas transmissões e acompanhar em tempo real tudo o que é exibido em seus vídeos.

Para isso, planeje conteúdos dinâmicos, como palestras, eventos de demonstração e até mesmo um perguntas e respostas ao vivo com o seu público, sempre focando no tipo de atração que faz mais sucesso em seu nicho.

Twitter

Já são mais de 330 milhões de usuários ativos pelo Twitter ao redor do mundo, fazendo desta uma das principais redes sociais para se estar presente.

Aqui no Brasil o seu acesso caiu bastante desde 2013, mas a rede ainda configura como uma das principais fontes de contato com o seu público, estando na frente do próprio LinkedIn, Snapchat, Google + e Pinterest.

A verdade é que o Twitter tem uma particularidade muito importante: o limite de caracteres e o tom despojado da rede, muito mais voltada para cotidianos do que o Facebook, por exemplo. O que acontece é que muitos usuários não entendem as diferenças entre as duas redes sociais, e acabam fazendo de sua timeline no Facebook o seu Twitter pessoal.

Isso jamais pode acontecer com uma conta empresarial, porém. Esteja bem atento para as principais diferenças entre essas duas redes sociais se quiser tirar o melhor delas na hora de manter sua estratégia de marketing de conteúdo.

1. Esteja atento aos Trending Topics

Os Trending Topics, ou TTs, são os assuntos mais comentados do momento que se agrupam na barra esquerda do Twitter (se você estiver pelo desktop) ou no ícone de busca (se você estiver pelo mobile).

Esse é um dos melhores termômetros da rede, já que independe de patrocínio para estar ali em cima, mas apenas do buzz gerado na rede social e na quantidade de menções feitas por outros usuários.

Essa é uma ótima maneira de engajar nos assuntos mais comentados, colocando sua empresa no círculo de discussão e permitindo que você contribua para que o tema se desenrole.

Os Trending Topics também funcionam como inspiração de conteúdo, principalmente aqueles mais rápidos, que logo perdem o vapor na primeira semana, mas acabam gerando um ótimo tráfego para os seus links.

Por isso, esteja atento ao que está subindo na lista e adiante-se a produzir conteúdo voltado para o que está bombando. Quem sabe você não acaba acertando um viral?

2. Não se preocupe com os 140 caracteres

Precisa contar uma história, mas os 140 caracteres parecem um empecilho? Bem, não mais.

Apesar da fama de microblog, hoje é possível fazer conteúdos bem maiores pelo Twitter. Basta que você realize mentions aos seus próprios tweets. Dessa forma, suas respostas ficarão alinhadas e poderão ser linhas em ordem cronológica por qualquer usuário.

Além disso, você também pode recorrer ao formato de imagem, que pode ser postada com todo o texto a ser lido.

Claro que não é o ideal, mas se você preferir ter todo o conteúdo de uma só vez em lugar de reparti-lo entre vários tweets, essa é uma boa alternativa.

3. Vídeos, Gifs e tudo mais que você quiser!

O Twitter hoje aceita o upload de vídeos, gifs, imagens, enquetes e até mesmo links com otimização, como acontece no Facebook.

Essa gama de formatos é perfeita para a produção de conteúdos variados, e pode ser bem explorada com um pouco de criatividade.

Algumas contas, como a da Amazon, por exemplo, costumam subir gifs engraçados em época de promoção, geralmente com conteúdo relacionado e que instigue as pessoas a visitar o site ou a compartilhar o Tweet.

Lembre-se sempre de variar nas suas postagens, mas mantendo em sincronia a linguagem a identidade visual definidas para sua empresa.

Com um pouco de consistência, logo seu conteúdo se tornará cada vez mais original e adequado ao seu negócio.

Você já está pronto para começar

Com estas dicas, você já pode começar a criar conteúdo para suas redes sociais. Comece e vá observando como seu público reage a todas suas ações online. Aos poucos você vai descobrir o que funciona e o que não funciona, e ficar ainda mais perto dos seus clientes.

Se você deseja aprender mais sobre algumas redes sociais nós temos alguns conteúdos que podem te auxiliar. Para Facebook, aprenda como utilizá-lo de maneira eficiente e confira este conteúdo sobre como tornar a rede social uma máquina geradora de leads. Se você quer saber mais sobre o LinkedIn, nós temos conteúdos que te ensinarão como conquistar mais clientesalgumas dicas incríveis sobre como gerar leads e um guia completo sobre como criar um perfil invejável. Agora, se você está em busca de informações sobre as imagens nas redes sociais, confira este post que te ensinará sobre o tamanho ideal para todas.

marketing de conteúdo