marketing verde

Marketing Verde: o que é e por que ele pode ajudar a melhorar a imagem da sua empresa!

Você já deve ter percebido por aí como algumas empresas fazem muita questão de deixar claro para os clientes como estão engajadas com a sustentabilidade, e como seus produtos são “verdes”, eco-friendly, 100% naturais, dentre tantas outras expressões “da moda”.

É um infindável discurso de “produtos amigos do meio ambiente”, “nossa produção não agride a natureza”, “usamos apenas materiais recicláveis” e podemos ver até propagandas pagas destinadas apenas à transmissão dessas informações.

Mas por que elas fazem isso?

Estamos falando do marketing verde, e vamos explicar nesse artigo não só por que elas fazem, mas por que você também deveria começar a investir nessa estratégia de marketing para a sua empresa.

Afinal, o que é marketing verde?

Marketing verde, também conhecido como marketing ambiental e ecomarketing, nada mais é do que uma estratégia de marketing que foca nos benefícios (ou na ausência de malefícios) dos produtos, do modo de produção, ou da postura em geral da empresa em relação ao meio ambiente.

Resumidamente, estamos falando de um marketing com apelo ambiental.

Ou seja, o ecomarketing consiste em vender a imagem de que sua empresa tem consciência ecológica.

E ter consciência ecológica é um imperativo dos últimos tempos.

Por conta disso, certamente não basta que a empresa comece a transmitir apenas uma imagem de consciência, mas sim que passe a ter uma atitude real de transformação e responsabilidade ambiental, social, cultural e econômica.

Um pouco sobre a história do marketing verde

O marketing ambiental surge na Europa e Estados Unidos a partir de um despertar geral de consciência ecológica da população.

Esse despertar de consciência se deu pela década de 60, mas seus impactos (bem como seu poder de transformação e influência) no mercado são percebidos mais fortemente no começo da década de 90.

A crescente preocupação com a escassez de recursos naturais faz com que muitos consumidores passem a pressionar empresas para que sejam responsáveis ambiental, social, econômica e culturalmente.

Ou seja, a exigência de conscientização nesse aspecto passa a se estender não só às pessoas físicas, mas principalmente às pessoas jurídicas.

Aqui no Brasil, o marketing ambiental veio junto com multinacionais europeias e norte-americanas que se instalaram no país, e a estratégia também começou a ganhar muita força a partir da década de 90.

Campanhas de entidades do terceiro setor, em especial, colaboraram de forma decisiva para que empresas percebessem a importância de seguirem os princípios do marketing verde.

E quais são esses princípios?

Princípios do marketing verde

Para estar de acordo com o marketing ambiental, o empreendimento deve ser:

  • ecologicamente correto;
  • economicamente viável;
  • socialmente justo e
  • culturalmente aceito

Ou seja, como falamos antes, percebe-se a necessidade de responsabilidade não somente ambiental, mas econômica, social e cultural.

Além disso, a empresa deve dar total atenção a algumas letrinhas.

Os 3 Rs: Reduzir, reutilizar e reciclar.

E os 4 Ss: Segurança, Sustentabilidade, Satisfação do Consumidor e Aceitação Social (Social acceptance).

Investindo nesses aspectos, a empresa irá não somente economizar energia e dinheiro nos processos produtivos e colaborar para um meio ambiente saudável, como também lucrar – e aqui estamos falando de lucro de qualidade, e não somente de quantidade.

Por isso é fundamental que o marketing verde seja pautado em reais atitudes, e não somente um “discurso verde”.

Empresas que investem nesse tipo de marketing devem incorporar práticas de responsabilidade ambiental, que levem o meio ambiente e o desenvolvimento sustentável em consideração.

Do contrário, estaríamos de frente para um caso de Greenwashing.

O que é greenwashing?

Vender uma imagem, mas não ter atitudes coerentes com o discurso pode ser extremamente nocivo (e muitas vezes fatal) para qualquer empreendimento, e não só para o planeta nesse caso.

Imagine que desastroso seria uma empresa que vende uma imagem de “amiga do meio ambiente”, enquanto joga, por exemplo, lixo radioativo em um rio e faz uso de trabalho escravo.

Isso é greenwashing.

Greenwashing pode ser traduzido como “lavagem verde”, e é exatamente o que o nome sugere: informações que enganam os consumidores, objetivando mascarar uma postura totalmente contraditória com o discurso de “marketing verde” da empresa.

Por conta do risco de greenwashing, produtos considerados como “verdes”, por exemplo, precisam provar que são “produtos verdes” mesmo, e produtos declarados como sustentáveis, devem atestar sua sustentabilidade.

Enganar o consumidor nesse aspecto é totalmente abominável e pode arruinar toda a imagem da empresa perante a sociedade.

Por isso é fundamental inserir o marketing verde de maneira correta em sua estratégia.

Como inserir o marketing verde na sua estratégia

Vamos começar já com uma boa notícia: se você tem uma pequena ou média empresa, saiba que será muito mais fácil incorporar o marketing verde.

Isso porque é mais fácil ter controle das atividades e da postura dos funcionários, e inserir novas práticas e hábitos. Mas obviamente, empresas grandes também conseguem (e tem feito isso de forma ostensiva) adotar o marketing verde.

Como começar?

As atividades de sua empresa devem objetivar, a partir de hoje, reduzir os impactos ambientais negativos (dentro das possibilidades) e preservar o meio ambiente.

Para isso, é possível, por exemplo, substituir produtos que agridem o meio-ambiente por produtos que não agridem (ou agridem o menos possível).

Mas não só isso: os donos e fundadores da empresa também devem ter os valores e as atitudes alinhados com esse pensamento ambientalmente correto.

Uma vez que os principais representantes da empresa tenham incorporado esses valores, isso deve ser divulgado e repassado também para os funcionários e processos da empresa.

Após a transformação nas atividades da empresa e nas atitudes dos fundadores e donos, a nova filosofia adotada por sua empresa deve ser explicitada para os consumidores.

Deixe então a consciência ecológica de sua empresa em evidência, e agregue, dessa forma, valor à marca. E a partir daí colha os frutos: o apelo ambiental gerará simpatia da população e ainda mais consumidores para seus produtos.

Dicas para implementar o marketing verde em sua empresa

  • Invista fortemente em reciclagem e reaproveitamento de materiais – isso além de ambiental e socialmente correto, irá gerar economia a médio e longo prazo, além da admiração dos consumidores;
  • Economize água na produção;
  • Elimine ou substitua produtos poluentes por outros que não sejam, ou que sejam menos poluentes;
  • Separe e destine o lixo de forma adequada;
  • Sua empresa pode desenvolver programas que colaborem para a redução da degradação ambiental, ou colaborar com programas que já existam;
  • Não use, ou tente reduzir o uso de materiais não-biodegradáveis;
  • Pense em formas de aumentar a durabilidade de seus produtos;

Essas são apenas algumas dicas, mas isso não significa que sua empresa deva usar só papel reciclado nas impressões, por exemplo (embora isso seja uma ideia muito boa), tampouco que essa é a única coisa que uma empresa deve fazer para que já possa proclamar que está praticando o marketing verde.

Seja criativo e a partir de agora reconsidere todo o seu processo de produção, e esteja disposto a mudar.

Um exemplo: se sua empresa é da área de cosméticos, saiba que você pode (e deve) eliminar o teste em animais e substituí-los por outros testes ainda mais precisos e efetivos.

É cada vez maior o número de consumidores que procuram especificamente por produtos que não testam em animais, e muitos se recusam a utilizar, em qualquer hipótese, os que testam.

Se sua empresa trabalha com roupas, hoje em dia é possível investir até em cabides ecológicos, e economizar água na lavagem das mesmas.

Já se você tem uma empresa de turismo, considere investir em turismo sustentável. A ideia nesse tipo de turismo, que vem crescendo exponencialmente, é unir o útil ao agradável: colaborar para a não-agressão ao meio ambiente e deixar o turista satisfeito. Isso porque pessoas vem tomando consciência de que algumas condutas no ecoturismo impactam fortemente a natureza.

Quais são os benefícios do marketing verde?

Para começar, se sua empresa demonstra ter consciência ecológica, a tendência é que ela atraia também o público com a mesma consciência.

Atente para esse “também”: ele está aí porque o público sem consciência ecológica (que por sinal vem reduzindo substancialmente a cada dia) certamente não vai deixar de consumir seus produtos só porque sua empresa se tornou mais responsável, mas as buyers personas com consciência ecológica, se tiverem de optar entre sua empresa e outra que não tenha essa consciência, irão optar pela sua.

E como dito antes, o marketing verde surgiu justamente da pressão dos consumidores que exigiam ver essa atitude de conscientização por parte das empresas.

Alguns consumidores preferem até pagar mais caro em um produto quando sabem que em sua origem não houve, por exemplo, trabalho infantil ou escravo, ou que sua produção foi mais amigável ao meio ambiente.

Já falamos aqui sobre a importância de se perceber os ambientes de marketing para aplicar as estratégias de marketing corretas, e o ambiente atual é totalmente favorável ao marketing verde.

Hoje em dia boa parte dos consumidores preferem embalagens retornáveis ou recicláveis, por exemplo. Materiais biodegradáveis são extremamente mal vistos.

E não ser “míope” para as mudanças de padrão de consumo e preferências ao seu redor é fundamental para que sua empresa tenha – e mantenha –sucesso.

Além disso, a médio e longo prazo, os investimentos em sustentabilidade irão trazer economia à sua empresa, e lucro de qualidade.

Está bom ou quer mais?

Porque tem mais: sua empresa ganhará a simpatia da opinião pública, se diferenciará de concorrentes, e agregará valor à marca.

Empresas que utilizam a estratégia de marketing verde

São muitas que poderiam entrar nessa lista. Aliás, o Brasil é considerado como uma das maiores “economias verdes” do mundo. A própria matriz energética do nosso país é focada em energia elétrica, que ainda é considerada uma energia “limpa”, ou ao menos mais limpa do que a energia nuclear, por exemplo.

A Natura tem um marketing notavelmente verde, usando embalagens em papel reciclado, treinando comunidades ribeirinhas, entre outras ações incorporadas à marca.

A Éh! cosméticos segue a mesma estratégia, focando especialmente em matérias primas naturais.

O Walmart recebeu até mesmo prêmios por ser uma empresa que passou a investir de verdade em sustentabilidade.

A Vizcaya é outro ótimo exemplo: a marca não testa em animais, tem embalagens em braile e com o símbolo do coelhinho sempre presente, atestando que não pratica os testes.

A NATIVE, que investe apenas em produtos orgânicos e surpreendeu com produtos como o açúcar e café orgânico, é outro bom exemplo de como inovar e acreditar nessa estratégia pode dar certo.

Outro exemplo marcante pôde ser observado na SPFW: foi instalado um gerador no evento, que é uma prática verde, e o evento focou também na neutralização de carbono.

Muitas modelos internacionais, aliás, também falam bastante sobre a importância de não se utilizar peles de animais – prática que pode queimar muito a imagem de sua empresa e pode ser facilmente substituída por peles sintéticas.

Conclusão

Se você ainda não investe em marketing verde, é hora de começar.

Seguindo o exemplo de várias empresas que tiveram sucesso após adotar essa estratégia, sua empresa poderá ter vários benefícios, que são, em síntese:

  • Ter um diferencial em relação aos seus concorrentes;
  • Ganhar credibilidade e agregar valor à marca;
  • Conquistar a simpatia da população;
  • Atrair os consumidores mais conscientes;
  • marketing de recomendação se torna uma consequência: pessoas satisfeitas com a postura da empresa, começam a recomendá-la para outras pessoas que também são ecologicamente conscientes;
  • Green is green“. Essa expressão não existe à toa: o marketing verde tem provado que atrai mesmo as “verdinhas”;
  • Acionistas conscientes não investirão em empresas não-conscientes. Você não quer correr esse risco;
  • Atender as exigências de consumidores cada vez mais exigentes nesse sentido;
  • É um investimento que te fará economizar ao longo do tempo

Portanto, adapte-se às exigências de consumo atuais e não deixe de investir no marketing ambiental.

Gostou do artigo? Agora que você já sabe como a estratégia de marketing verde é eficiente, que tal reciclar não somente materiais, mas reciclar também a estratégia de marketing de sua empresa?

Descubra agora 6 formas excelentes de aproveitar o conteúdo da sua empresa e reciclar sua estratégia de marketing, o que vai ajudar a alavancá-la ainda mais!