metricas de vaidade

Por que nós precisamos falar sobre as Métricas de Vaidade?

Já falamos muitas vezes sobre a importância de medir seus esforços no marketing digital.

Especialmente quando falamos de redes sociais, existem diversos números e indicadores que podem confundir até mesmo experientes profissionais.

Visto essa confusão, há o perigo de nos prendermos em métricas de vaidade, ao contrário daquelas que realmente importa para compreender o sucesso de nossas ações.

Vamos, neste artigo, apresentar melhor quais são estas métricas, porque são chamadas dessa forma, e como evitar cair na ilusão de acompanhá-las, além de é claro, quais métricas devem receber mais atenção.

Acompanhe a seguir!

O que são métricas de vaidade?

Se formos resumir o que são métricas de verdade, poderiam ser descritas como toda informação coletada e acompanhada por profissionais, que na verdade não ajudam a tomar decisão nenhuma.

Não significa que são métricas que você deva ignorar, mas apenas que não são as que ditarão a saúde do seu negócio, em uma visão do todo.

Com o crescimento acelerado das redes sociais, muitas empresas decidiram investir na gestão e presença deles nas redes.

O que é uma decisão extremamente acertada, mas não adianta simplesmente criar a página da sua empresa ou patrocinar anúncios sem um objetivo claro.

Imagine criar uma campanha do Google AdWords e não saber exatamente quais métricas acompanhar (saiba aqui)?Quanto dinheiro você poderia perder?

E o problema com o Facebook ou outras redes, é que as vezes não fica tão claro quanto dinheiro você perde, quanto como é no AdWords.

Quais são as métricas de vaidade?

Lembre-se: Métricas de vaidade são todas aquelas que não te ajudam a tomar decisões de negócios mais acertadas.

Portanto, todo dado que não motive uma mudança, pode ser considerado uma métrica de vaidade até certo ponto.

Algumas métricas de vaidade tem sim seu valor, não se engane quanto a isto, mas simplesmente não merecem tanta atenção quanto outras, não devem ser consideradas KPI’s de um projeto.

Alguns dos exemplos mais clássicos são:

1. Likes, +1, coraçãozinho no twitter e afins

Quando perguntado “como vai indo suas campanhas no Facebook?”.

Ainda é muito comum ouvir a resposta “vai indo muito bem! Conseguimos X likes”. Ok, ótimo! Mas o que você faz com essa informação?

Posso ter dado like por ter gostado do título, ou da imagem do gif de gatinho que você colocou junto.

Mais uma vez, não há informação suficiente que conduza alguma tomada de decisão, por isso essa é talvez a mais perigosa e principal métrica de vaidade que alguém pode ter.

Se você ainda quer saber se ainda pode valer a pena comprar likes, sugiro que leia com atenção esse post a respeito.

2. Downloads de apps

Se você possui um app, com certeza deveria direcionar muitos esforços para que as pessoas fizessem o download dele!

Porém, é preciso entender melhor o quão relacionado com faturamento e usuários pagos esse número significa.

O download de apps gera um custo transacional para empresas e muitas vezes a taxa de desinstalação está acabando com esse número.

Para quem ainda está criando o app ou lançou ele há pouco tempo no mercado, o número de downloads é com certeza muito importante.

Mas no longo prazo, tenha cuidado. Mensure a citada taxa de desinstalações, downloads x cadastros (usuários) e, claro, usuários pagantes do seu app.

Se você recebe poucos downloads mas muitos cadastros, poucas desinstalações e os usuários fazem uso das funções pagas deles, você está bem!

E se você tem dúvidas de como usar o marketing de conteúdo para apps, temos um post a respeito bem interessante.

3. Cliques

Outra métrica que frequentemente pode soar interessante e rica, mas pode se tornar mera vaidade.

A taxa de cliques é importante para saber se você está conseguindo levar pessoas ao seu site, blog, anúncio, ou o que quer que seja. Mas sem que você tenha seu objetivo por trás da métrica muito bem definido, é um número vazio.

Se você possui muitos cliques, mas uma baixíssima taxa de conversão ou tempo de permanência na página, é preciso reavaliar para qual página você está levando o visitante, e se ela está alinhada com a expectativa da chamada.

São os riscos dos famosos “clickbaits” – chamadas que prometem algo super revelador mas que só estão ali para atrair cliques.

4. Compartilhamentos

Sim, eu sei, se muitas pessoas compartilham seu conteúdo, significa que algo deu certo!

Enquanto que sim, é uma afirmação verdadeira, o número de compartilhamentos não diz necessariamente nada quanto ao sucesso da sua estratégia (ainda).

Especialmente quando o que fora compartilhado tantas vezes tenha sido uma mensagem de humor ou qualquer outra coisa sem um objetivo claro por trás.

O compartilhamento dos seus conteúdos ajuda a levar mais tráfego para o site, porém, uma vez conquistado esse tráfego, você precisa captar a atenção do leitor e movê-lo em seu funil de vendas, entregando conteúdo de qualidade (não sabe como? Clique aqui!), para assim entender realmente a efetividade do desempenho de sua gestão de redes sociais.

5. Taxa de Rejeição

Não se assustem, não é para parar de acompanhar ou se preocupar com a taxa de rejeição de seu blog ou site!

Como falamos antes, essas métricas não devem ser ignoradas mas sim compreendidas sobre qual espaço ocupam em sua estratégia e, principalmente, qual é o seu objetivo final além delas.

A taxa de rejeição significa quanto usuários abandonam sua página antes de cumprir certos requisitos do Google, para que ela não seja considerada como rejeitada pelo usuário.

Além de tempo em cada uma, se o usuário não interage com nenhum dos links listados, ela pode ser considerada como página rejeitada, da mesma forma.

Existem páginas com tráfego mais alto e maior rotatividade de usuários que irão, naturalmente, apresentar taxa maiores de rejeição.

Se uma página de contato como “fale conosco” está recebendo poucas interações, pode ser mais preocupante.

Tudo isso depende, é claro, do que você quer extrair de informação quando analisa sua taxa de rejeição, ou bounce rate. Para se aprofundar melhor em como utilizar essa métrica, visite esse artigo.

6. Seguidores

Em qualquer rede social, seja Facebook, Twitter ou Instagram, o número de pessoas que acompanham a página quer dizer algo próximo de nada, enquanto métrica de negócios.

É claro que ter muitos seguidores ou fãs nas redes sociais é interessante, mas não está diretamente relacionado ao sucesso da sua empresa.

Mesmo o instagram, que ainda não foi totalmente explorado em sua versão para negócios, possui métricas mais interessantes de serem acompanhadas.

7.Pageviews, ou visualizações da página

Por si só, esta é uma métrica de vaidade pois não diz nada a respeito da evolução do site ou blog.

Ao contrário de visitantes únicos, esse dado do Analytics pode facilmente estar equivocado ou mesmo assim não existem muitas decisões a serem tomadas a partir do seu número.

Um site pode ter 10.000 visualizações e 100 visitantes, ou 10.000 visualizações de 10.000 visitantes. São cenários bem diferentes e que exigem atitudes diferentes.

Uma dica para entender melhor as métricas do Google Analytics é conferir esse artigo.

Existem outras métricas de vaidade que poderíamos citar aqui, mas basta sempre considerar a regra: Se não te ajuda a tomar decisão de negócios, talvez não seja a principal métrica que você deva acompanhar!

Quais métricas realmente importam no marketing digital?

Ok, então você já entendeu o que podem ser métricas de vaidade, certo? Bom, mas afinal o que devemos acompanhar para medir o crescimento do seu negócio?

Cada vez mais profissionais de marketing são pressionados para provar o retorno de suas campanhas de acordo com o investimento realizado.

E para um bom cálculo de ROI, existem certas métricas que você deve acompanhar, de acordo com o objetivo definido de suas campanhas. Vamos listar algumas.

1. Taxa de Conversão de Campanhas

Vamos supor que você fez uma campanha no Google AdWords e precisa comprovar o ROI dela (mais sobre ROI em AdWords).

Supondo que você está atraindo muito tráfego e recebendo muitos cliques. Mas desse tráfego pago, quanto realmente converte?

E entenda por “conversão” o objetivo que você definiu anteriormente. Seja a venda final, seja um pedido de contato com vendas – lembre-se que as métricas de vendas diferem muitas vezes de marketing!

O papel da campanha é gerar oportunidades, especialmente quando falamos de serviços B2B. Acompanhe qual a % de conversões você está obtendo.

Nem sempre o objetivo da conversão é de vendas. Pode ser, por exemplo, o download de um material rico, para ajudar na geração de leads, algo efetivo especialmente em redes sociais como o Facebook, como falamos nesse vídeo.

2. Conversões ao longo do funil

A partir do momento que você gera um novo inscrito em newsletter ou uma nova lead que baixou um material rico e deixou informações valiosas, ele está no seu funil de vendas.

Neste momento, é preciso identificar em qual estágio ele está, e ofertar mais conteúdo que o mova adiante no funil.

Para identificar em qual etapa ele está, recomendamos que use conteúdos que estejam atrás de landing pages que peçam informações cada vez mais detalhada, de acordo com a etapa do funil que o material esteja relacionado.

Por exemplo: Se um assinante do seu newsletter baixou o seu “Guia Definitivo de SEO”, ele já está qualificado como lead, mesmo que ainda no topo do funil.

Assim, você consegue saber se está aplicando técnicas eficientes de atração (visitantes no site ou blog), conversão e retenção desses leads, ao longo do funil.

3. LTV

Do inglês “Lifetime Value”, essa métrica é muito importante pois define o quanto um cliente vale para você, realmente.

Digamos que você é um SaaS, com uma mensalidade de R$100. Se seus clientes ficam, em média, 12 meses com a assinatura, então seu LTV é de aproximadamente R$1.200.

Alguns enxergam o LTV como uma métrica exclusiva de vendas por assinatura, mas isso não diz a realidade.

Sabemos que é muito mais fácil vender para clientes que já compraram conosco antes, e quando falamos de e-commerce, isso e ainda mais verdadeiro.

Então, clientes retornando e repetindo a compra tem maior lucratividade (menor custo com lead) e portanto, um maior LTV. Mais sobre métricas de e-commerce, aqui.

4. CAC

Outro número já bastante tratado aqui, o Custo de Aquisição por Cliente ou CAC, é uma métrica chave para empresas que querem manter-se em crescimento saudável.

É basicamente quanto custa um cliente para você, e para que você obtenha um ROI verdadeiro, vai precisar ter seu CAC x LTV na ponta da língua.

Para mais informações sobre o cálculo e acompanhamento dessa métrica, visite nosso artigo dedicado a ela.

5. Número de Visitantes

Ao contrário dos pageviews, esse dado mostra quantas pessoas visitaram o site, independente de quantas vezes ela o fez.

São novos visitantes que foram acrescidos a audiência do seu blog, e não visitas retornantes.

Uma página pode ter 1 visitante que realizou 6 visitas, por exemplo.

É uma métrica importante pois mostra que você está conseguindo manter sua audiência renovada e seu funil movimentado, o que te deixa mais próximo de ter alguma previsibilidade.

Seja sensato quando analisar estes números: Você precisa de visitantes que retornem o site para que você saiba como está conseguindo reter a atenção da sua audiência mas também precisa mantê-la renovada com novos visitantes.

Observe a porcentagem de cada uma em seu tráfego e tente mantê-las balanceadas com ações de newsletter e e-mail marketing para trazer usuários retornantes, por exemplo, e ações nas redes sociais e SEO para captação de novos visitantes.

Conclusão

É importante saber que as métricas de vaidade não são totalmente dispensáveis e devem ser observadas, desde que com a consciência de que não serão responsáveis por comprovar justificar recursos alocados em campanhas de marketing digital.

As redes sociais e a atual exigência para que empresas estejam presentes nelas geraram ainda mais métricas confusas e que não nos dizem tanta coisa.

Pensando nisso, elaboramos constantemente artigos e materiais para auxiliar as empresas a atingirem resultados de negócio por meio desses canais.

Destes conteúdos, separamos 4 especialmente criados para começar do 0 campanhas e estratégias de redes sociais para gerar mais leads, oportunidades e clientes para sua empresa.

Para baixar esse kit de marketing nas redes sociais, basta clicar aqui.

 
Autor(a)

Escrito por: Redator Rock Content Este artigo foi produzido por um dos mais de 5000 redatores da base da Rock Content. Quer conteúdo legal assim no seu blog? Fale com um consultor!



    Deixe um comentário

    Certificações em Marketing Digital - Universidade Rock Content
    Vagas em Marketing e Vendas - Rock Jobs
    Ebook Inbound Marketing - O Guia Definitivo

    A Rock Content é líder em marketing de conteúdo no Brasil. Ajudamos centenas de empresas a atingirem seus objetivos de marketing. Queremos ajudar você também!