o que e sem

Você sabe o que é SEM, afinal de contas?

Quando você tem alguma dúvida e as pessoas ao redor não podem solucioná-la, qual é a sua fonte de pesquisa favorita?

Se você respondeu Google, saiba que essa é a resposta comum para mais de 90% dos brasileiros.

Apesar de não ser o único mecanismo disponível, ele domina as buscas dos internautas por aqui e em diversas partes do mundo.

Nesse cenário, surge o SEM (Searching Engine Marketing, em português Marketing de Mecanismos de Buscas), um conjunto de técnicas que tem como objetivo utilizar-se desses motores para promoção na internet.

Nesse artigo, você saberá o que é essa estratégia e como ela pode auxiliar a expandir os seus negócios.

O que é SEM?

Basicamente, o SEM é o aglomerado de técnicas que utilizam-se dos mecanismos de buscas para realizar as ações de um negócio, seja ele digital, físico ou que agrupe os dois modelos.

No entanto, ele divide-se em dois formatos – um gratuito e outro pago –, abrangendo as capacidades organizações de todos os tamnhos, desde pequenas e médias empresas a grandes multinacionais.

São eles:

SEO

O Searching Engine Optimization (em português, Otimização para Mecanismos de Buscas), reúne as estratégias que envolvem a criação de conteúdo relevante para atrair os usuários até uma página de destino.

Ou seja, visa informá-lo, encantá-lo e, no caso dos negócios, estimulá-lo a realizar uma ação – como inscrever-se em uma newsletter, realizar uma compra, etc.

O Índice de Qualidade (IQ) é responsável por ranquear, de acordo com a relevância da página, o posicionamento dos links que levarão a um website.

São muitos os fatores de ranqueamento, como por exemplo:

  •  Palavras-chave: A escolha dos termos de pesquisa a serem utilizados em artigos é muito importante para os algoritmos dos mecanismos de buscas. Por isso, aqueles que pretendem investir nessa estratégia devem se colocar no lugar do usuário.
    A pergunta-chave são quais palavras escolhidas por ele são relevantes para o meu negócio? Uma boa forma de encontrá-las é através do Planejador de Palavras-Chave ou o SEMrush.
  • Estrutura do texto: Existem várias práticas recomendadas para um bom posicionamento no Google. A utilização das palavras-chave escolhidas devem estar nos lugares corretos, como o título, subtítulo, tag, metatag e distribuída com sabedoria ao longo do texto. Dessa maneira, os textos tornam-se legíveis para os motores de buscas.
  • Qualidade da página: Os algoritmos tendem a beneficiar páginas que possuem um layout agradável, boa navegabilidade, uma velocidade estável de carregamento de páginas, etc.
  • Outro fator de ranqueamento é a qualidade do conteúdo. Quanto mais específico e aprofundado, melhor. Como eles mensuram isso? Simples, através do tempo de permanência do usuário no site.
  • Backlinks: As citações às páginas de destino do seu site ou blog são outro fator extremamente relevante para um bom posicionamento. Essa é uma técnica de SEO Off Page, ou seja, fora da área de alcance do administrador.Porém, bons artigos tendem a receber muitas referências. Vale lembrar que quanto maior a relevância do site linkado, maior a relevância para o Google.
  • Tráfego: Essa é fácil! Quanto maior o tráfego da sua página de destino, ou seja, quanto maior o número de visitantes, melhor o ranqueamento. Nesse caso, talvez seja uma boa ideia investir nos links patrocinados, técnica sobre a qual falaremos a seguir.

Links patrocinados

Os links patrocinados são anúncios, ou seja, fazem parte de uma ferramenta de mídia paga. Você provavelmente já fez uma pesquisa e se deparou com alguns resultados de anúncios.

No Google, por exemplo, eles geralmente vêm antes dos resultados orgânicos e na barra lateral.

Caso você não saiba como eles são, é possível fazer uma pesquisa a qualquer momento, digitando uma palavra-chave comercial, como “celular” ou “geladeira”.

Para fazer uso dessa estratégia, é preciso cadastrar-se em uma plataforma de anúncios, como o Google Adwords ou o Bing Ads, e inserir os dados do cartão no qual serão debitados os valores.

Essa estratégia geralmente utiliza a cobrança por cliques, mas existem técnicas mais avançadas que permitem a otimização para conversões (vendas) ou impressões (visualizações no anúncio).

O sistema utilizado para definir qual anúncio será exibido funciona da seguinte maneira: A cada vez que um usuário faz uma pesquisa pelo termo de busca anunciado, o Google realizará um leilão.

Sendo assim, é preciso definir os valores máximos que o anunciante está disposto a pagar, levando em consideração fatores como a concorrência e a relevância da palavra-chave.

Por que o SEM é importante?

Não há dúvidas de que os motores de busca compõem uma parcela considerável de todo o tráfego gerado na internet.

Para se ter uma ideia, são 2.3 milhões de pesquisas realizadas no Google a cada segundo.

Assim, fica fácil imaginar o potencial dessa ferramenta quando se fala em negócios.

Os mecanismos de buscas são, sobretudo, plataformas de informações e, como tal, servem de alicerce aos questionamentos dos usuários.

Por isso, eles incentivam à criação de conteúdo na web, trazendo ao alcance do internauta a maior quantidade de conhecimento possível.

Por outro lado, sendo a maior plataforma de publicidade online do mundo, o Google também é reconhecido por seu eficaz modelo de negócio, que visa gerar rentabilidade para as contínuas pesquisas da empresa e oferecer uma boa experiência ao usuário.

Dicas para se fazer SEM

Algumas práticas são recomendadas em estratégias de Searching Engine Marketing. Abaixo, você confere algumas delas:

1 – Utilize o conceito de cauda longa (long tail), ou seja, palavras-chave específicas. Termos de buscas muito específicos tendem a ter um baixo volume de buscas e concorrência, então o ideal é investir em palavras-chave mais extensas.

2 – Invista no Google Shopping caso o seu negócio seja uma loja física. Os resultados dessa ferramenta aparecem no mecanismo do Google acompanhado das imagens.

3 – Nunca se aproveite de técnicas não recomendadas, o chamado black hat. Ou seja, práticas de repetição de palavras-chave, títulos que não condizem com o conteúdo, etc.;

4 – Analise dados recolhidos pelo Google Analytics regularmente e faça modificações nos seus artigos, postagens e anúncios;

5 – Não se esqueça de utilizar chamadas para a ação nas estratégias de SEO. Uma boa CTA pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso da sua campanha;

6 – Observe a concorrência por uma palavra-chave tanto nos links patrocinados quanto nas estratégias orgânicas. Muitas vezes, você poderá descobrir termos relevantes nos quais você pode superar os adversários.

7 – Coloque o usuário sempre em primeiro lugar e tente resolver aos seus problemas. Lembre-se: estratégias de SEM devem sempre beneficiar o usuário!

Se você gostou desse artigo, saiba acesse também 61 ferramentas de SEO para melhorar seu desempenho!

 
Autor(a)

Escrito por: Redator Rock Content Este artigo foi produzido por um dos mais de 5000 redatores da base da Rock Content. Quer conteúdo legal assim no seu blog? Fale com um consultor!



    Deixe um comentário

    Certificações em Marketing Digital - Universidade Rock Content
    Vagas em Marketing e Vendas - Rock Jobs
    Ebook Inbound Marketing - O Guia Definitivo

    A Rock Content é líder em marketing de conteúdo no Brasil. Ajudamos centenas de empresas a atingirem seus objetivos de marketing. Queremos ajudar você também!