Taxa de rejeição: saiba compreendê-la e evite erros na sua análise

Taxa de rejeição: saiba compreendê-la e evite erros na sua análise

A análise de métricas na execução de uma estratégia de marketing digital é parte essencial para garantir que seus objetivos estão sendo alcançados. Para isso, a maioria dos profissionais de marketing utilizam o Google Analytics, ferramenta do Google que fornece aos gestores dados quantitativos e qualitativos sobre sites e aplicativos mobile. São diversos dados, como, por exemplo, quantidade de usuários, sessões, por onde eles chegaram, de onde são, etc.

Uma das principais métricas, a taxa de rejeição (ou bounce rate), costuma ser alvo de bastante preocupação e dúvidas. Você conhece essa métrica? Sabe o que ela significa e representa de fato? Sabe a diferença entre ela e a taxa de saída?

Solucione essa e muitas outras dúvidas nesse artigo que vai te explicar, de forma simples e objetiva, tudo sobre a taxa de rejeição, desde como analisá-la até os principais erros cometidos.

Mas, afinal, o que é taxa de rejeição?

De acordo com a definição do próprio Google Analytics, a taxa de rejeição, ou bounce rate, sinaliza “o percentual de sessões de uma única página (ou seja, sessões nas quais a pessoa saiu do seu site na página de entrada sem interagir com ela)”. Sendo assim, essa taxa é atribuída a visitantes que entraram no seu site por uma landing page e, por algum motivo, saíram por essa mesma página, sem realizar qualquer ação dentro do seu site.

Essa saída pode acontecer de diversas maneiras: os usuários clicaram no botão “Voltar” no navegador, fecharam a página/aba, foram em um link para um outro site – dentro da sua própria página, digitaram um novo endereço ou simplesmente ficaram inativos tempo suficiente (30 minutos, no padrão do Google Analytics).

Taxa de rejeição x Taxa de saída

É importante entender a diferença entre esses dois. Enquanto a taxa de rejeição representa os visitantes que entram e saem por uma mesma página, sem interagir com o site, a taxa de saída apenas apresenta os visitantes que saíram por aquela página. Dessa maneira, taxa de rejeição se aplica à landing page/página de entrada; já a taxa de saída é referente à página que o visitante sai do site, ou seja, página de saída.

Qual a taxa de rejeição aceitável para um site?

O valor de uma taxa de rejeição ser alto ou baixo depende de diversos fatores, como, por exemplo, mercado de atuação, objetivo do site, objetivo da página, etc. Porém, existem alguns números médios de acordo com o tipo de site. Veja os valores geralmente encontrados nos principais mercados:

  • Varejo – 20 a 40%
  • Landing pages simples – 70 a 90%
  • Portais (exemplo: MSN, G1) – 10 a 30%
  • Sites de serviço/FAQ – 10 a 30%
  • Venda de serviços (geração de leads) – 30 a 50%
  • Sites de conteúdo – 40 a 60%
  • Blogs – 70 a 98%

Dados retirados desse post da QuickSprout. 

Você acredita que a sua taxa está alta ou que pode ser melhorada? Leia esse nosso artigo com dicas para abaixar sua taxa de rejeição. Entretanto, certifique-se antes que você está a analisando de forma correta e tendo os objetivos da sua página e a experiência dos seus visitantes em mente.

Quais as melhores práticas ao analisá-la?

Antes de se desesperar, tenha certeza que está fazendo uma boa análise da taxa de rejeição e ela está, de fato, ruim. Para isso, entenda algumas práticas que é preciso ter em mente para auxiliar sua análise dessa métrica.

Segmentação

A segmentação pode ajudar de uma maneira muito positiva na análise de métricas no geral, incluindo a taxa de rejeição. Se você segmenta seus dados por localização, por exemplo, verá que, comumente, visitantes de um lugar diferente do local de atuação da sua empresa saem da página sem interagir, levando a uma alta taxa de rejeição para essa região.

Outras formas de segmentação que podem ajudar na sua análise são Visitantes novos x Recorrentes, Origem, Dispositivos, etc. É essencial sempre levar em consideração qual tipo de segmentação pode demonstrar interesses diferentes por parte dos usuários e que fariam com que eles não tivessem qualquer interação com o site naquele momento.

Experiência do usuário

Ao verificar a taxa de rejeição do seu blog ou de uma página específica, o principal fator a ser levado em consideração sempre deve ser a experiência do usuário. Se o usuário entrou, por exemplo, diretamente em uma página de contato, é comum que ele encontre o telefone da sua empresa ou o e-mail e feche essa página. Isso é positivo! Ele encontrou a informação que precisava naquele momento.

Outro exemplo seria uma taxa de rejeição relativamente alta, porém com um tempo médio igualmente alto. Isso significa que, embora o visitante esteja saindo sem interagir com o site, ele está lendo o conteúdo, e isso também é um bom resultado. De qual maneira? Pode ser que tudo o que aquela pessoa precisava naquele momento era daquele conhecimento específico. Se ele tirou o tempo para ler, as chances que ele volte no site posteriormente são altas.

Conheça alguns dos principais erros na análise da taxa de rejeição

É importante entender a taxa de rejeição para que suas análises sejam feitas de forma correta e o pânico para melhorá-la não seja gerado a troco de nada. Há alguns problemas que podem te levar a uma interpretação errada da sua taxa de rejeição.

Código do Google Analytics configurado de forma errada

A inserção errada do código de rastreamento do Google Analytics no seu site pode fazer com que os dados da taxa de rejeição sejam mostrados de forma alterada e errônea. Por exemplo, caso você coloque um código em uma página e o mesmo não seja replicado para outra página do site, isso pode contar como rejeição quando o visitante mudar de uma página para outra.

A configuração e instalação pode parecer simples e óbvia, mas é fácil cometer erros. Evite-os com esse guia completo sobre o Google Analytics e aprenda fazer a instalação. Para conferir se está tudo certinho, use o Tag Assistant.

Configuração de Eventos

A taxa de rejeição é calculada, como já falado, de acordo com interações feitas pelo usuário. Se ele entra em uma landing page e faz download de um arquivo PDF, por exemplo, sem que haja um evento relacionado a essa ação, o Google Analytics não terá como “captá-la” como uma interação. Sendo assim, esse usuário vai ser considerado na taxa de rejeição de forma errônea, uma vez que ele interagiu com o seu site. Certifique-se que a sua conta possui eventos configurados para ações desse tipo e evite esse erro.

É importante entender a taxa de rejeição de forma clara para que você consiga, de fato, analisar se ela está atrapalhando seu objetivo no marketing de conteúdo, ainda que indiretamente, ou se esse número está apenas desviando sua atenção de algo mais importante.  Se você ainda possui alguma dúvida ou gostaria de dividir sua experiência conosco, envie um comentário preenchendo os campos abaixo!

 
Autor(a)

Escrito por: Renata Santiago



    Deixe um comentário

    Certificações em Marketing Digital - Universidade Rock Content
    Vagas em Marketing e Vendas - Rock Jobs
    Ebook Inbound Marketing - O Guia Definitivo

    A Rock Content é líder em marketing de conteúdo no Brasil. Ajudamos centenas de empresas a atingirem seus objetivos de marketing. Queremos ajudar você também!