termos de marketing

Os 50 termos de marketing digital que todo profissional deve saber!

Enriqueça seu vocabulário com esses 50 termos de marketing digital que todo profissional dessa área deve conhecer

À medida que você se interessa em aprender mais sobre marketing, talvez encontre materiais interessantes, mas ao mesmo um pouco complicados de entender.

Isso acontece justamente por conta da riqueza do marketing: são tantas técnicas, métodos e ferramentas disponíveis para criar campanhas bem-sucedidas que é inevitável surgirem termos próprios.

Pensando nisso, separamos para você os 50 termos de marketing digital que todo profissional precisa saber.

Com isso, seus dias de ficar perdido ao ler sobre o assunto ficarão para trás!

Pelo contrário, vai ter melhores condições de colocar 00m prática tudo que aprende e extrair o máximo que o marketing tem a oferecer.

Vamos lá!

1. Marketing digital

A definição de marketing é simples: buscar, de várias formas, atrair clientes e gerar negócios para uma empresa ou profissional.

O marketing digital é a mesma coisa, só que usando a internet.

Afinal, como a vida das pessoas está cada vez mais dependente de aparelhos eletrônicos e da internet, esse é um dos melhores canais de negócios a explorar.

2. Inbound Marketing

Inbound marketing significa marketing de atração, e se refere a uma nova forma de conquistar clientes: em vez de interrompê-los — como anúncios costumam fazer — a ideia é chamar sua atenção. Como?

Através de conteúdo que seja interessante e relevante, seja para ajudá-los a resolver um problema, facilitar uma tarefa importante do dia a dia, etc.

 3. Marketing de conteúdo

Muitos acham que marketing de conteúdo é a mesma coisa que inbound marketing, mas na verdade ele é apenas uma parte — essencial, por sinal — do método inbound.

Ele envolve a parte de planejar, produzir e distribuir todo o conteúdo usado na estratégia inbound de uma empresa, além de medir seus resultados.

4. Outbound Marketing

Se as técnicas inbound se baseiam na produção de conteúdo, a abordagem do outbound marketing é direta, com a identificação de clientes em potencial e o início de um diálogo com estes em busca da venda.

Ao contrário do que alguns pensam, o outbound não é inimigo do inbound. Os dois podem ser usados em conjunto com grande sucesso para o negócio.

5. CTA

CTA é a Call-to-Action, ou chamada à ação, um convite para os visitantes de uma página tomarem o próximo passo depois de interagir com algum conteúdo.

O CTA deve ser a última coisa que a pessoa vê antes de tomar a ação.

Por isso, ele precisa ser irresistível ao convencer a pessoa de que a oferta em questão vale a pena.

6. Funil de vendas

O funil de vendas é uma forma de entender o quanto seus leads estão perto de se tornar clientes e tratá-los de acordo com isso.

Existem três etapas do funil: topo, meio e fundo.

Para cada uma delas, há tipos de conteúdo que são mais apropriados, e a linguagem desses conteúdos também muda.

7. Lead

Lead é todo cliente em potencial do seu negócio.

Para que realmente sejam convertidos em clientes, os leads precisam ser nutridos através de conteúdo de qualidade.

Como eles têm processos de decisão diferentes, usamos o funil para determinar que tipo de conteúdo se encaixa melhor com o interesse de cada lead.

8. Persona

Persona é a representação semi fictícia de um cliente ideal. Como assim?

Por meio de pesquisa com clientes atuais do negócio, é traçado um perfil único do cliente ideal, que servirá de guia para toda a estratégia de marketing.

9. Landing page

Landing page, ou página de conversão, é uma página dedicada exclusivamente a uma oferta — oferecer material gratuito, vender um produto, etc. — em troca de algo.

Essa moeda de troca pode ser tanto dinheiro, no caso de um produto sendo vendido, como informações pessoais usadas para nutrir o lead mais tarde — no caso de um material gratuito, por exemplo.

10. Conversão

Esse é sem dúvida um dos termos mais usados, especialmente no marketing digital. Mas o que significa?

Sempre que alguém cumpre o objetivo principal de uma página, seja por baixar um material, pedir um orçamento ou se registrar para um teste gratuito, ocorre uma conversão.

11. CMO

CMO é o Chief Marketing Officer, o diretor de marketing da empresa.

Com esse cargo, o profissional está no topo da hierarquia de marketing, e coordena todas as decisões tomadas sobre o assunto.

Dependendo do tamanho da empresa, outros gestores podem ser colocados para cuidar de equipes menores.

12. CRM

O termo CRM vem do inglês “Customer Relationship Management”, ou “Gestão de relacionamento com o cliente”, e é um dos sistemas mais importantes para uma empresa.

Além de manter todos os clientes cadastrados em um só lugar, o CRM concentra informações como histórico de atendimento e de compras, canais de contato e preferências.

13. Testes A/B

Testes A/B servem para testar diferentes abordagens e ver o que converte mais em uma página.

Por exemplo, dá para testar se uma landing page com fundo claro converte melhor que uma com fundo escuro. Assim, metade dos visitantes verá o fundo claro e metade verá o escuro.

A cor que converter melhor será usada de forma definitiva.

14. CAC

O CAC (Custo de Aquisição Por Cliente) é um cálculo feito para mostrar quanto a empresa gasta para conseguir seus clientes.

Esse indicador é determinante para qualquer estratégia de marketing, pois ajuda a limitar o orçamento das campanhas e impedir que se gaste mais do que o negócio futuramente vai ganhar.

15. LTV

LTV significa “Lifetime Value”, o chamado valor vitalício do cliente.

É uma média da quantia total que se pode esperar receber dos clientes até que eles deixem de usar o produto ou serviço.

A combinação de LTV e CAC é importante, já que por saber quanto espera ganhar com cada cliente, se torna mais fácil perceber se os gastos com atração estão dentro do aceitável ou não.

16. Link Building

O Linkg building é a prática de colocar links para outros artigos relacionados ao tema de que se está falando.

Nesse post mesmo, há vários links para artigos que explicam melhor cada um desses termos.

Isso aumenta o tempo que o leitor fica no blog, ajuda a enriquecer o seu conhecimento e ainda contribui para aumentar a autoridade do site nos mecanismos de busca.

17. ROI

ROI (Return On Investment) é o retorno sobre investimento, ou seja, a forma de saber se o dinheiro que se gasta com marketing está se revertendo em lucros ou não.

Esse cálculo é crucial para garantir que apenas ações lucrativas sejam usadas, e que a empresa não perca tempo e recursos com táticas que não funcionam.

18. Materiais ricos

Materiais ricos são parte especial de uma estratégia de marketing de conteúdo. Esses materiais incluem ebooks, whitepapers, infográficos, vídeos e outros.

O principal objetivo dos materiais ricos é gerar leads. Isso é feito por criar uma landing page e pedir dados pessoais em troca do dowload gratuito.

19. SEO

SEO se refere a “Search Engine Optimization”. Em bom português, otimização para motores de busca. O que é isso?

Basicamente, é uma série de técnicas que ajudam no posicionamento das páginas de um site em portais de pesquisa, como o Google.

Quanto melhor o seu SEO, mais pessoas visitarão suas páginas através desse tipo de site.

20. Links patrocinados

Os maiores sites de busca têm áreas no topo reservadas para anúncios, que são feitos na forma de links, assim como os demais resultados das páginas.

Esses anúncios são chamados de links patrocinados, pois não chegaram no topo de maneira orgânica — pela análise do próprio motor de busca — , mas de forma paga.

21. CPC

Há várias formas de pagar pelos anúncios patrocinados, e o CPC, ou custo por clique, é um deles.

Como o nome sugere, nessa opção o anunciante paga a cada vez que alguém clica no link.

Por ser o meio mais simples de lançar e controlar uma campanha, o CPC é o modelo mais indicado para quem está começando a anunciar.

22. CPM

CPM, outra forma de pagar por anúncios patrocinados, representa o custo por mil impressões. Ou seja, a cada mil vezes que o anúncio é exibido, o anunciante paga.

Essa alternativa faz sentido principalmente para empresas que já têm uma estratégia de marketing bem desenvolvida e grande fluxo de visitantes.

23. CPA

O CPA, que significa custo por ação, é o último e mais complexo entre os meios de pagamento de anúncios patrocinados.

Nesse modelo, o anunciante paga somente quando o objetivo final de sua campanha é atingido — uma venda, pedido de orçamento, download de um material, etc.

24. SEM

Se o SEO se empenha em otimizar páginas para os motores de busca, o SEM (Search Engine Marketing) faz um pouco mais que isso.

O SEM é a junção do SEO com links patrocinados, e usa essas duas táticas para conseguir o máximo de resultados no menor tempo possível.

25. Smarketing

Smarketing — ou, como gostamos de chamar, Vendarketing — é a união entre as equipes de vendas e marketing de uma empresa para conseguir melhores resultados.

Enquanto alguns consideram esses dois setores quase como rivais, o smarketing mostra que a colaboração entre ambos é o melhor caminho para um negócio saudável e lucrativo.

26. SLA

SLA, ou Service Level Agreement — Acordo de nível de serviço — é um documento que define as responsabilidades do time de vendas e do time de marketing quando usam o Smarketing.

Sem esse acordo, seria fácil confundir quem deve realizar cada tarefa, resultando em problemas de comunicação e desempenho. Por isso, o SLA garante que estejam todos de acordo desde o início.

27. Bounce Rate

Bounce rate é a taxa de cancelamento de um produto ou serviço.

Especialmente em serviços pagos no modelo de assinatura, é essencial ter esse número sempre atualizado.

Se perceber que o número de pessoas que desistem de continuar como clientes está alto demais, poderá identificar as causas disso e resolver o problema o quanto antes.

28. Growth hacking

O growth hacking é uma expressão que vem ganhando popularidade nos últimos anos devido à sua importância para o sucesso de uma empresa.

As técnicas de growth hacking servem para fazer um negócio crescer e prosperar rapidamente, mesmo diante de desafios como falta de recursos e pessoal.

29. Métricas

Métricas são vitais para medir os resultados de uma estratégia, e não só de marketing, mas também de vendas, atendimento e desempenho geral.

Cada métrica tem uma forma de ser calculada, e deve ser acompanhada por um período para mostrar resultados verdadeiros.

30. KPI

KPIs — Key Performance Indicators — , ou Indicadores-chave de Desempenho também são usados para medir os resultados e a eficiência de uma estratégia, mas vão além do que as métricas fazem.

Por meio deles, é possível ter uma visão bem mais profunda dos problemas e oportunidades com que a equipe de marketing vai se deparar, e como agir em cada situação.

31. Mídias sociais

Nos últimos tempos, as redes sociais, que já eram um instrumento popular de interação entre amigos, se tornaram ambientes férteis de negócios.

Por isso, falar em mídias sociais engloba não apenas essas redes, mas como entender e se comportar nesse cenário e ter sucesso ao se relacionar diretamente com o público.

32. UX

Ter um site atraente e fácil de navegar é essencial para conquistar os clientes exigentes que estão acostumados a comprar pela internet.

Dentro desse contexto, a UX — termo em inglês para experiência do usuário — precisa ser levada em conta a todo instante. Assim, ele terá a melhor sensação de compra e se tornará um cliente fiel.

33. Marketing viral

Quem nunca ouviu falar em marketing viral? Esse termo é usado para falar daquelas campanhas que se espalham tão rápido como um vírus e fazem sucesso espontaneamente.

Esse tipo de reação não acontece a todo momento, mas vale a pena investir no marketing viral pelo retorno expressivo que ele traz.

34. E-mail marketing

Sabe aquela lista de e-mails que todo blog oferece para você assinar, e que você talvez tenha chegado a assinar em alguns casos? Isso é e-mail marketing!

Essa tática é muito usada para manter os leads interessados no conteúdo que a empresa tem a oferecer, e conduzí-los pelo funil de vendas no ritmo certo.

35. NPS

“De 0 a 10, o quanto você indicaria a empresa X para seus amigos?” Essa pergunta é a base do NPS, ou Net Promoter Score, uma metodologia que mede o o grau de satisfação dos clientes com um negócio.

Entender essa metodologia pode ajudar a melhorar diversos processos internos que se refletem nos lucros, como atendimento e qualidade do produto.

36. Buzz marketing

O buzz marketing é um tipo de estratégia que procura gerar uma discussão positiva sobre um produto ou marca. Parece muito com o marketing viral, mas sem ser tão efêmero.

O objetivo central do buzz marketing é fazer com que as pessoas realmente conversem de forma positiva sobre as características de um produto ou marca. A sua estratégia mais comum envolve parcerias com influenciadores digitais de cada segmento.

37. CRO

Conversion Rate Optimization (CRO ou otimização da taxa de conversão, em português) é um processo que busca aperfeiçoar a taxa de conversão de uma estratégia (pode ser um site ou uma rede social) para converter mais visitantes ou seguidores em clientes.

O CRO deve ser utilizado por empresas que já tenham uma estratégia de marketing digital em funcionamento e que precisam aprimorá-la para aumentar a sua eficiência.

38. Algoritmo

Em poucas palavras, algoritmo é uma sequência de instruções para que um computador possa realizar alguma função. É como uma receita de bolo para que a máquina possa fazer algo por nós.

O Google usa um algoritmo para determinar os resultados de buscas na internet e outro para trabalhar com anúncios no Google AdWords. Já o Facebook possui um para o feed de notícias dos seus usuários, e o Twitter também.

39. Newsletter

Muito confundida com outro termos de marketing (no caso, o e-mail marketing), uma newsletter é, na verdade, apenas um pedaço de uma estratégia maior de marketing utilizando e-mails.

A ideia da newsletter é gerar leads por meio da oferta de conteúdos periódicos que sejam de interesse dos seguidores de uma empresa. Assim, é possível segmentar e manter esses usuários ativos dentro da estratégia da companhia.

40. API

API (acrônimo para Application Programming Interface ou interface de programação de aplicativos, em português) consiste num conjunto de código que permite que um aplicativo utilize funções ou sistemas de outro software.

O Facebook, por exemplo, oferece uma API que permite integrar os dados da rede social com a sua estratégia de marketing digital, permitindo a criação de anúncios mais dinâmicos com o seu público. O Google também oferece um recurso semelhante.

41. Automação de marketing

Automação de marketing é a ação de otimizar o seu marketing digital utilizando ferramentas que automatizem todos os processos da estratégia, como a geração e nutrição de leads, envios de e-mail marketing e campanhas em redes sociais.

A automação de marketing não significa substituir o seu time de marketing por robôs, mas sim utilizar soluções que aumentem a eficiência dos profissionais que trabalham nessa área.

42. Geomarketing

Geomarketing pode ser definido como o conjunto de estratégias que utilizem informações sobre localização do consumidor para formular as suas campanhas.

A ideia por trás do geomarketing é usar a conectividade e o GPS smartphones para poder entrar em contato com um consumidor que esteja no lugar certo e na hora certa.

43. Tráfego pago

Todo site ou estratégia de marketing digital precisa de tráfego para sobreviver. Tráfego, nesse caso, é o fluxo de usuários na internet.

Uma empresa pode adquirir soluções digitais que vão expor o seu site (ou outro canal de comunicação) na web. O Google AdWords, a promoção de posts no Facebook ou até mesmo anúncios em outros sites são exemplos dessas soluções.

Todo o tráfego gerado por meio desses recursos é chamado de tráfego pago, já que você precisou pagar a terceiros para obtê-lo.

44. Tráfego orgânico

Ao contrário do tráfego pago, o tráfego orgânico é composto pelo fluxo de visitantes que chegaram até o seu site sem a necessidade de pagar a terceiros pela divulgação.

Quando um visitante faz uma busca no Google e chega ao seu site por causa disso ou quando ele clica em um link compartilhado por um amigo numa rede social, ele passa a compor o tráfego orgânico da sua página.

45. Métricas de vaidade

Podemos entender métricas de vaidade como qualquer métrica que não vai te ajudar a tomar uma decisão sobre a sua estratégia de marketing digital.

Como o objetivo principal das métricas é medir os resultados de uma estratégia, as métricas de vaidade são aquelas que não estão conectadas diretamente com o principal objetivo da sua campanha.

46. SMP

Social Media Policy ou políticas de mídias sociais é um documento que toda empresa deve produzir. Nele, são definidas as diretrizes de comportamento dos seus funcionários nas redes sociais.

Esse documento deve estabelecer as condutas aceitáveis para que os seus colaboradores possam participar das redes sociais sem prejudicar o seu rendimento profissional nem a marca da sua empresa.

47. Internet das Coisas

A Internet das Coisas consiste na conexão de vários objetos eletrônicos à web. Em poucas palavras, é exatamente o que seu título sugere: uma internet que conecte todas as coisas, como televisores, eletrodomésticos, veículos, semáforos e muito mais.

Para o marketing, a Internet das Coisas é uma forma de obter mais informações sobre o consumidor para campanhas e análise de ações, além de prover novas formas de conexão com ele.

48. Big Data

Big Data é o termo utilizado para se referir a um conjunto massivo de informações (internas ou externas) que você pode acessar remotamente ou via internet.

No marketing, o Big Data é utilizado para transformar todas as informações e os dados coletados por uma empresa em oportunidades para otimizar e automatizar as suas campanhas de comunicação e gerar mais vendas.

49. Remarketing

Remarketing é a ideia de fazer uma ação de marketing específica para uma pessoa que já demonstrou interesse em um produto ou serviço da sua empresa, mas não fechou negócio da 1ª vez. Em outras palavras, é como uma 2ª chance com esse consumidor.

O remarketing pode ser utilizado via Facebook ou Google (que fornecem APIs específicas para esse caso) ou mesmo por e-mail, caso você possua essa informação do consumidor.

O objetivo do remarketing é aproveitar que o consumidor está pesquisando para fazer uma compra e voltar a oferecer seu produto para ele, aumentando a sua chance de fechar negócio.

50. Publicidade nativa

Publicidade nativa é uma estratégia de marketing que busca oferecer um conteúdo que seja natural ao canal visitado pelo consumidor.

É um conceito similar ao publieditorial, mas com foco na qualidade do conteúdo oferecido.

Depois de aprender esses 50 termos de marketing tão importantes para qualquer profissional, não restam dúvidas de que você está mais bem equipado para usar o marketing digital de forma completa.

Uma dica: Marque este artigo entre os favoritos para relembrar os termos de vez em quando, até que estejam bem memorizados.

Uma das melhores formas de pôr em prática boa parte dos termos que aprendeu agora é por criar um blog. Então, veja agora o guia definitivo para fazer isso e dominar o assunto de vez!