Buzz Marketing

Buzz Marketing: entenda o conceito e como essa solução se aplica ao seu negócio!

O Buzz Marketing consiste em um conjunto de estratégias que podem ser aplicadas para aumentar o engajamento e o reconhecimento de marca.

Na maior parte das vezes, tudo que uma marca quer é estar na boca do povo, sendo comentada. Se você procura por uma maneira de conseguir isso para a sua empresa, nós temos a resposta em duas palavras: Buzz Marketing.

Essa vertente do Marketing é especializada em fazer com que as pessoas, o público consumidor, fale e comente sobre a marca de uma empresa, gerando aquele burburinho que vem acompanhado de um grande número de vendas.

É possível colocar a sua empresa no assunto da semana nas ruas ou redes sociais aplicando algumas técnicas que vamos conhecer no post de hoje. Portanto, continue lendo!

O que é e de onde surgiu o Buzz Marketing?

Imagine como era a vida de um circo há muitas décadas atrás. Sem Internet ou televisão para divulgar as suas atividades, os profissionais circenses tinham dificuldades para garantir que a cidade estava ciente que eles tinham chegado.

Por isso, era costume dos circos promoverem um stunt publicitário nas ruas, fazendo alguns truques e exibições gratuitas, para que as pessoas soubessem que eles estavam na cidade.

Sempre depois de uma apresentação dessas, os ingressos para os espetáculos da turnê se esgotavam rapidamente.

De certa forma, essa é a semente da essência do Buzz Marketing.

Em poucas palavras, podemos definir Buzz Marketing como o conjunto de técnicas que vai colocar as pessoas para conversar sobre a sua marca. É, de certa forma, criar engajamento.

No caso dos circos de antigamente, eles realizavam apresentações e truques nas ruas para que as pessoas comentassem entre si que os artistas estavam na cidade e o quão impressionante eram as suas habilidades.

Depois do primeiro espetáculo, a notícia se espalhava rapidamente e logo a cidade toda vinha para conferir o show.

Normalmente, o Buzz Marketing é focado em dois tipos de público diferentes: os pioneiros e os early adopters.

A ideia é simples: como esses dois tipos de consumidores são aqueles mais interessados em novidades, produtos inovadores ou estão mais dispostos a dar uma chance a empresas que não conheciam, eles são os mais indicados a serem os primeiros clientes da sua marca.

Conquistados, eles mesmos se encarregarão de iniciar a discussão com outras pessoas, ajudando a tornar a marca mais conhecida e garantindo os clientes que os seguirão.

Qual a diferença entre Buzz Marketing e Marketing Viral?

Você deve estar pensando que já conhece todo esse papo de “fazer as pessoas falarem” sobre a marca. “É só fazer um viral”, não é mesmo?

Na verdade, não. O Buzz Marketing e o Marketing Viral são conceitos que podem se parecer à primeira vista, mas são bem diferentes quando analisamos com mais profundidade.

A principal característica do Marketing Viral é construir uma mensagem que seja altamente compartilhável e que siga de uma pessoa para a outra, como um vírus.

O objetivo do viral é se espalhar o máximo possível e chegar até um grande número de pessoas.

Já o Buzz Marketing não quer atingir as pessoas de qualquer forma. Não quer só que elas saibam que a sua empresa existe.

O objetivo aqui é fazer com que elas conversem sobre a marca ao invés de apenas reconhecer sua existência.

Por isso, uma estratégia de Buzz Marketing vai exigir uma construção diferente de uma estratégia viral, já que pretendemos fisgar o público e mantê-lo entretido conversando sobre a marca.

Para saber mais, confira o nosso artigo especial sobre Marketing Viral!

Quais as principais estratégias de Buzz Marketing?

A maioria das pessoas acredita que o que se torna assunto nas redes sociais, nas mesas de bares ou nas ruas é algo completamente aleatório.

Numa semana, podemos estar comentando sobre a Microsoft anunciar a morte e ressureição do Paint e na outra sobre a nova temporada de Game of Thrones ou o novo clipe da Anitta.

Porém, o que a maioria das pessoas não reconhece, é que existe uma ciência por trás dos assuntos que conquistam a cabeça das pessoas e geram discussão, ou seja, buzz.

O publicitário Mark Hughes analisou esse assunto à fundo e publicou o livro Buzzmarketing, uma das maiores bíblias sobre essa técnica.

Na sua obra, Hughes constata que é possível constantemente pautar as discussões das pessoas em suas casas e que empresas inteligentes saberão como se beneficiar disso.

Hughes escreve que existem seis tipos de assuntos que funcionam como uma espécie de “botões do buzz” que, quando ativados, garantem que as pessoas vão se interessar e discutir sobre alguma coisa.

Se uma campanha de marketing ativar um ou mais desses seis botões, então ela vai gerar bastante conversa nas redes sociais e nas ruas. Confira quais são:

Os seis botões do Buzz

Mark Hughes descreve esses como os seis botões do Buzz Marketing:

  • o tabu;
  • o incomum;
  • o extraordinário;
  • o chocante;
  • o hilário;
  • o segredo.

Cada um desses botões ativa uma “coceirinha” no nosso cérebro, que torna quase impossível não falarmos a respeito.

O tabu é o botão que é ativado quando nossa campanha fala de um assunto “proibido”. O conceito de proibido aqui não é relacionado a assuntos “fora da lei”, mas sim assuntos controversos, que permitem que as pessoas possam “escolher lados” e debater.

Já o incomum é o botão ativado quando vemos algo que foge dos padrões que já conhecemos. Pode ser tanto uma novidade completa como um produto que se separa do resto da categoria ou indústria por ser revolucionário.

O botão do extraordinário é ativado quando vemos algo que é positivamente incrível e cuja satisfação dos clientes é evidente.

Por sua vez o chocante é, talvez, o botão de buzz mais comum de todos. Tudo aquilo que nos choca, de qualquer ponto de vista, gera comentários. Quanto mais chocante, mais buzz.

O botão do hilário apela para a nossa atenção. Nós adoramos coisas que nos façam rir e somos atraídos por quem desperta essa reação.

Por fim, chegamos ao botão dos segredos. O ser humano é naturalmente curioso e adora vasculhar por dicas e pistas de segredos bem guardados – além de adorarmos ver quando eles são revelados.

Não é à toa que existe uma discussão enorme antes da estreia de grandes filmes, por exemplo. Todo mundo quer saber o que acontecerá no próximo Star Wars ou Vingadores, juntando pistas de filmes passados e montando teorias mirabolantes.

Exemplos de Buzz Marketing: cases para se inspirar

Está acompanhando tudo até aqui? Se você ficou um pouco confuso sobre como o Buzz Marketing funciona e quais os seus resultados, nós separamos alguns cases de sucesso para você ver na prática como essa técnica funciona.

Nós separamos 3 grandes exemplos de Buzz Marketing em diferentes áreas (tecnologia, entretenimento e cosméticos) para analisarmos. Vamos lá?

Steve Jobs: como o buzz levanta uma empresa

É difícil falar de Buzz Marketing sem mencionar um dos grandes mestres nessa área: Steve Jobs, fundador e CEO da Apple por muitos anos.

O cara era tão bom nessa técnica que os fãs já se arrepiavam sempre que terminava uma das suas apresentações e ele dizia sua famosa frase “One more thing…”. Todos sabiam que algo incrível vinha por aí!

Steve Jobs conseguiu uma proeza de fazer com que uma mesma ação se transformasse em dois botões de buzz diferentes. Explico:

Jobs desenvolveu uma técnica única de se apresentar ao público. No final de cada palestra ou anúncio, ele virava como se fosse sair do palco e, de repente, parava.

Lentamente ele voltava para a frente do palco e dizia “One more thing…”, como se tivesse esquecido de falar algo.

Steve Jobs

A primeira vez que ele fez isso foi em 1998, durante a MacWorld SF, quando anunciou que a Apple tinha voltado a dar lucro para os acionistas depois de alguns anos em crise.

Na ocasião, o botão do choque foi ativado e o assunto ganhou os fãs que não esperavam por um anúncio desses.

Com a repetição do padrão em outros eventos, com anúncios ainda maiores (como a criação do iMac G4, o iPod Mini ou o MacBook Pro), os fãs da Apple começaram a aguardar ansiosamente pelo “One More Thing...” de cada apresentação.

Assim, o botão do segredo foi ativado com antecedência e o período pré-apresentação de Steve Jobs era acompanhado de centenas de artigos em blogs especializados e milhares de comentários de fãs tentando adivinhar qual seria o grande anúncio da vez.

Assim, uma única frase conseguiu ativar diferentes botões de Buzz e garantir que a Apple fosse sempre assunto entre os fãs da tecnologia.

Essa era parte da magia de Steve Jobs e sua incrível capacidade de comunicação com o público.

Boticário: usando o tabu ao seu favor

Desse case você provavelmente deverá se lembrar, já que aconteceu faz pouco tempo.

Em 2015, O Boticário lançou uma propaganda de Dia dos Namorados que deu o que falar. A razão?

A peça mostrava casais heterossexuais e homossexuais trocando presentes para celebrar a ocasião.

Aproveitando o tabu relacionado a homossexualidade no país, o Boticário gerou uma enorme discussão sobre o tema. Como é tradicional do botão tabu, a sociedade se dividiu em dois lados que “discutiram” na Internet e nas ruas sobre o tema.

Essa discussão acabou até virando uma espécie de competição no vídeo oficial da propaganda no YouTube. Quem era a favor da campanha, dava “likes” e quem era contrário, dava “dislikes”.

O resultado: mais de 580.830 participações, com mais de 66% das pessoas apoiando a ação e 34% sendo contrário.

A própria campanha do Boticário acabou sendo premiada com o Grand Effie, a principal categoria do Effie Wards Brasil 2015.

E o público consumidor também premiou a campanha: num ano em que o comércio em geral teve uma queda de 5% nas vendas, o Boticário conseguiu registrar um aumento de 3% na sua atuação no mercado.

Isso tudo serve para mostrar como o Buzz Marketing é poderoso.

Um simples comercial soube ativar bem os botões de buzz da população (especialmente o de tabu) e propagou bastante a mensagem da empresa.

Além disso, grande parte da população apoiou a campanha e acabou atuando comercialmente (comprando produtos do Boticário) para mostrar esse apoio.

J.J. Abrams: quando o silêncio gera buzz

No final de 2012, a Disney surpreendeu o mundo ao anunciar a aquisição da Lucasfilm por $4 bilhões de dólares.

Para quem não conhece, a Lucasfilm é a empresa criada por George Lucas e detentora dos direitos de franquias como Indiana Jones e Star Wars.

Na ocasião, a Casa do Mickey aproveitou para anunciar uma nova trilogia de Guerra nas Estrelas, com o primeiro filme, o Episódio VII, estreando nos cinemas em 2015.

Esse anúncio sozinho já foi capaz de gerar um tremendo buzz nas redes sociais. Ativando três botões de uma vez (o choque, o extraordinário e o incomum), a Disney virou o assunto do ano na ocasião.

Porém, a empresa fez ainda mais pouco depois: contratou J.J. Abrams para dirigir o Episódio VII.

Um pouco de contexto: Abrams é um diretor de cinema conhecido por ser um grande mestre do Buzz Marketing e fervoroso adepto do secretismo em seus filmes, como Super8 ou Além da Escuridão – Star Trek.

Como todo mundo queria saber mais informações sobre o Episódio VII, J.J. Abrams fez aquilo que sabia melhor: segurou tudo.

Assim, ele ativou o botão do segredo no mistério mais bem guardado de Hollywood nos últimos anos. Quem serão os atores? Quem serão os protagonistas? Qual a trama do Episódio VII?

A maioria das pessoas não fazia a menor ideia dessas informações quando o filme estreou em dezembro de 2015.

Tanto segredo deu resultado: o segundo trailer do filme foi o mais visto da História na época e o longa bateu recordes de bilheteria com $2 bilhões de dólares arrecadados no mundo todo, com a maior bilheteria nos EUA na História e a terceira maior do planeta.

Resumo e conclusão: o que aprendemos hoje?

No artigo de hoje, nós aprendemos que:

  • buzz Marketing é colocar as pessoas para conversar sobre a sua marca;
  • é especialmente focado em pioneiros e early adopters;
  • é diferente de Marketing viral;
  • possui seis botões (o tabu, o chocante, o incomum, o extraordinário, o hilário e o segredo) para serem ativados;
  • uma mesma campanha pode (e deve) ativar mais de um botão ao mesmo tempo;
  • o Buzz Marketing pode trazer resultados incríveis para quem o utilizar.

Como deu para ver, o Buzz Marketing é uma ferramenta muito poderosa nas mãos de uma equipe de marketing talentosa.

Você ficou impressionado com o poder que uma técnica dessas pode ter na imagem da sua marca? Então que tal continuar estudando sobre o assunto? Leia o nosso artigo especial sobre Branding e aprenda a fazer uma boa gestão de marca para a sua empresa!