Qual a diferença entre CMS e hospedagem? Entenda aqui!

Qual a diferença entre CMS e hospedagem? Entenda aqui!

Saber quais são as diferenças entre CMS e hospedagem é essencial para qualquer um que deseja dar início a uma estratégia online de sucesso.

Aprender o que é necessário para executar uma estratégia de marketing digital bem-sucedida é um processo complexo, com grande consumo de informações, testes e experimentos práticos para validar os novos conceitos.

Enquanto certas partes desse processo são uma verdadeira sopa de letrinhas, outras podem confundir um pouco. Quantas vezes você já aprendeu sobre um conceito e pensou “Mas isso não é a mesma coisa que…”?

Um bom exemplo disso é a dupla CMS e hospedagem. Se o seu conhecimento sobre ambos é básico, deve saber que hospedagem tem a ver com manter um site no ar e que CMS é o que mantém um blog funcionando. Espera, não é tudo a mesma coisa?

Não. Existem diferenças claras, e neste artigo vamos te mostrar quais são elas. Além disso, vamos ver melhor cada tema e como os dois são importantes para a sua empresa se dar bem na internet.

Antes de mais nada, o que é CMS?

O significado do termo CMS (Content Management System) pode ser traduzido em português como Sistema de Gerenciamento de Conteúdo.

E o nome é bem auto descritivo, já que o propósito do software é organizar de forma completa uma estratégia de conteúdo.

Isso inclui facilitar o planejamento, a produção, edição, otimização e distribuição do conteúdo de um blog ou portal. Se você tem ou já teve um blog, é muito provável que já tenha visto ou usado um sistema do tipo.

Afinal, não se trata só da facilidade de trabalhar no dia a dia, mas de pontos técnicos, como a criação e manutenção de um banco de dados para armazenar todo o material publicado.

Conheça os 3 principais softwares de CMS do mercado

Se você começar agora uma busca detalhada por todos os CMSs do mercado, vai faltar tempo para analisar tantas opções em detalhes. A quantidade de sistemas de gerenciamento de conteúdo, gratuitos ou pagos, é absurda.

Mas o objetivo deste artigo não é falar demais sobre todos os sistemas do mercado, mas dar um norte a quem se interessa em encontrar as melhores ferramentas.

Com isso, vamos manter o foco em 3 dos softwares de CMS mais usados e respeitados do mundo. Veja por que eles chegaram a esse status e como podem ajudar na sua estratégia:

1. WordPress

Quer um único motivo para usar o WordPress e nem se preocupar com todas as outras alternativas? Ele é o mais usado no mundo todo!

Para dar um contexto maior, aqui vão alguns números significativos sobre a plataforma:

  • o WP representa nada menos que 59.9% de todos os sites que usam algum tipo de CMS no mundo;
  • a participação de mercado do WordPress é de 31.4%;
  • o número de sites que usam a plataforma já passa de 26 milhões, e continua aumentando.

2. Joomla!

Será que a força do WordPress significa que ele é o único CMS de confiança e qualidade? Pelo contrário. O Joomla! também tem grandes méritos, é mundialmente usado e reconhecido.

O sistema de código aberto já recebeu vários prêmios como melhor aplicação nos últimos anos, o que mostra a solidez da plataforma e a força de sua comunidade.

Além dessas qualidades, a marca de 2 milhões de websites ativos no mundo foi alcançada pelo Joomla! por conta de fatores como flexibilidade do sistema e facilidade para escalar.

3. Drupal

A ideia do Drupal, que tem muitos dos princípios do WP (como a linguagem em PHP e a comunidade enorme de desenvolvedores) é empoderar projetos digitais que se destaquem dos demais.

Em outras palavras, o Drupal é mais indicado para projetos maiores e mais ambiciosos. Por isso, se a sua ideia é criar um site potente e capaz de suportar grande volume de conteúdo, múltiplos domínios e idiomas, pode contar com o sistema.

Prova disso é que o Drupal é o CMS de escolha dos governos dos EUA, França e da cidade de Londres e conta com mais de 1 milhão de colaboradores em sua comunidade.

O que é a tão falada hospedagem?

Você só está lendo este blog agora porque ele conta com um serviço de hospedagem. Todas as outras abas que estão abertas agora no seu navegador também.

A hospedagem web é como um aluguel para manter o seu site disponível na internet. Se não contratar esse serviço, seu blog só poderá ser visto na máquina local em que foi programado, ou seja, não terá utilidade nenhuma.

Existem muitos tipos de hospedagem, que vamos explorar logo abaixo, e empresas que vendem esse tipo de serviço, com pagamentos mensais, trimestrais e até anuais.

Conheça os 4 principais tipos de hospedagem

A ideia de contratar um serviço de hospedagem não poderia ser mais simples: sem isso seu site não funciona. Simples assim. Mas, na prática, há alguns aspectos que precisam ser considerados antes de bater o martelo.

Quer ajuda nesse processo? Então entenda melhor os 4 tipos principais de hospedagem web, e como elas são diferentes entre si:

1. Hospedagem compartilhada

É o tipo mais comum de hospedagem, em que vários sites dividem o mesmo servidor.

Os atrativos da hospedagem compartilhada são o preço competitivo e o fato de atender bem a demanda da maioria dos sites e blogs, que não têm tanto tráfego.

Existem até opções gratuitas de hospedagem compartilhada, mas são indicadas apenas para testes ou sites que desejam receber poucas visitas, como páginas estáticas.

2. Hospedagem em nuvem

A hospedagem em nuvem funciona com vários servidores físicos que distribuem o processamento de dados por um grande espaço na nuvem.

Então, se um dos servidores passar por problemas, seu site não corre o risco de ficar fora do ar ou ficar lento demais. Por conta dessa flexibilidade e segurança, o custo é maior que o da hospedagem compartilhada.

3. VPS — Servidor Virtual Privado

O servidor virtual privado, assim como a hospedagem em nuvem, cria uma máquina virtual no servidor, a fim de dividir os recursos e melhorar a relação custo-benefício.

A diferença é que em vez de ter várias máquinas dividindo um espaço na nuvem, aqui o espaço de cada máquina é dividido por vários projetos. Assim, o VPS é o intermediário entre a hospedagem compartilhada e a de nuvem.

4. Servidor dedicado

Esse é o tipo mais seguro e robusto de hospedagem, recomendado para sites ou aplicativos que precisam de muito poder de fogo e alto nível de segurança.

Como o servidor é 100% seu, é totalmente customizável às suas necessidades. Obviamente, o custo dele também é muito mais alto que dos demais.

Quando contratar um serviço de hospedagem?

Será que a sua empresa precisa mesmo de um serviço de hospedagem? Se o seu propósito é iniciar um dos três tipos de projeto abaixo, a resposta é sim. Entenda o porquê:

Site ou blog próprio

Como já dissemos, não dá para ter um site sem a hospedagem, nem mesmo um site ruim! Logo, não importa se a sua intenção é ter uma página simples com poucas informações ou um mega portal de conteúdo, precisa da hospedagem primeiro.

Mas lembre-se que escolher uma boa hospedagem com calma é importante. Antes de decidir por uma solução, pense nos seus projetos futuros e na infraestrutura necessária para dar conta deles.

Loja virtual

Lojas virtuais precisam de uma hospedagem mais robusta e pronta para escalar. Afinal, o objetivo de qualquer empreendedor digital é ver seu negócio crescer.

Se tudo der certo, os números de visitas, transações de compra e pedidos de suporte só vão aumentar. Tudo isso requer capacidade de processamento maior do servidor, e uma hospedagem comum pode não ser suficiente.

Software SaaS

Sistemas vendidos por assinatura, também conhecidos como SaaS (Software as a Service) são tão complexos quanto uma loja virtual, ou até mais.

Não é incomum encontrar serviços de hospedagem feitos exclusivamente para atender a demanda enorme desse tipo de aplicação.

Projetos SaaS costumam ser pagos ou seguir um modelo Freemium (plano grátis que atrai para o plano pago). Com isso, precisam aguentar alto tráfego e processamento de dados, já que nenhum cliente quer um produto que sai do ar de repente.

O resumo da ópera: hospedagem e CMS caminham juntos

Depois de entender a diferença entre hospedagem e CMS, você já deve ter notado que não existe espaço para aquela velha pergunta feita em comparativos: “qual dos dois devo escolher?”.

No fim das contas, as duas soluções andam de mãos dadas, já que não dá para ter um site sem contar com um serviço de hospedagem. Assim, não importa qual o seu projeto, ambas as soluções têm seu lugar nele, o segredo está em escolher a melhor opção entre as muitas que existem no mercado.

E se você ainda não tem um site no ar, contrate agora mesmo um serviço de hospedagem e coloque ao menos uma landing page no ar. Depois disso, busque um CMS de qualidade e crie um site adequado para funcionar dentro dele.

Como você deve ter percebido, um blog de sucesso passa por elementos técnicos como um bom CMS e uma hospedagem confiável, mas não se limita a isso. Baixe agora o guia definitivo do blog corporativo e veja tudo que precisa saber sobre o assunto!

guia definitivo do blog corporativo

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo