Blog corporativo para iniciantes: como escolher um CMS

Blog corporativo para iniciantes: como escolher um CMS

Para que você possa ter um blog corporativo de sucesso, você deve fazer uma escolha criteriosa do CMS a ser usado, levando em conta os aspectos de maior relevância dos sistemas disponíveis no mercado.

Depois de muito ler e ouvir falar sobre os benefícios de ter um blog corporativo como arma para a aquisição de clientes, você decidiu se planejar para propor a estratégia na sua empresa.

Depois de alguma pesquisa, descobriu que é praticamente impossível ter um blog sem um bom sistema de gerenciamento de conteúdo, também conhecido como CMS.

Então, um dos passos mais importantes do seu projeto é escolher um CMS de qualidade, adequado para as necessidades da sua empresa. Como fazer isso?

Não adianta avaliar cada sistema de forma separada, isso seria pouco produtivo e levaria tempo demais, afinal, existem milhares de opções. E também não adianta escolher às cegas.

Por isso, vamos apresentar 6 fatores que vão te ajudar a escolher um CMS de maneira rápida e eficaz. Assim, você vai aprender como prepará-lo para atingir sempre o desempenho máximo. Vamos lá!

6 elementos importantes na escolha do CMS ideal

As ferramentas tecnológicas fazem parte do dia a dia de todo tipo de empresa. E você deve saber o quanto custa caro escolher a solução errada, tanto em termos de tempo quanto de dinheiro desperdiçado.

Com a escolha do CMS é a mesma coisa. Pense no impacto de ter uma plataforma que não atende as necessidades imediatas da sua estratégia de conteúdo, ou que não esteja pronta para escalar com rapidez.

O custo com perda de produtividade e a dificuldade de trocar de sistema no meio do caminho comprometeriam demais todo o seu planejamento de marketing digital.

Para evitar qualquer problema nesse sentido, é só prestar bastante atenção a cada um dos elementos abaixo na hora de fazer sua pesquisa pelo CMS ideal:

1. Infraestrutura

Mesmo que você decida começar a produzir conteúdo aos poucos, leve em conta a velocidade de escala que o seu negócio precisará ter conforme decidir aumentar os investimentos.

O suporte a outros idiomas, subdomínios e outros elementos que só se fazem necessários em portais com grande volume de conteúdo podem não fazer sentido no momento.

Mas daqui a pouco tempo isso pode ser exatamente o que você precisa e, nessa hora, o CMS escolhido já tem de estar pronto para atender a demanda.

Tenha em mente também que com o mercado digital tão disputado, pode ser preciso mudar de direção no planejamento de conteúdo. Com uma plataforma sem infraestrutura adequada, isso pode custar caro não só em dinheiro, mas em termos de autoridade junto ao Google.

2. Suporte

O suporte entra em ação no momento em que algo dá errado, ou seja, no ponto mais sensível da interação do usuário com o sistema.

Por isso, é importante saber que tipo de assistência você pode esperar do CMS que está pensando em implementar.

Por exemplo, se o suporte for muito frágil você terá de dedicar um desenvolvedor da sua equipe — ou contratar profissionais terceirizados — só para cuidar de qualquer falha técnica.

Em geral, softwares de de código aberto têm como suporte uma extensa documentação e uma comunidade ativa de usuários que ajudam com bugs e procedimentos.

Os mais conhecidos também contam com muita mão de obra qualificada para lidar com os mais diferentes problemas e cuidar de todo tipo de projeto.

Mas se você escolher um CMS pago, pesquise bem como é o suporte oferecido. Não compensa ter um sistema todo feito sob medida se não tiver ajuda quando ele apresentar algum problema (e ele vai, é inevitável).

3. Facilidade de uso

Pare e pense: várias pessoas vão usar a plataforma todos os dias para produzir e divulgar peças de conteúdo que servirão para conseguir novos clientes.

Agora imagine o resultado desse importante trabalho se o CMS for complicado e desagradável de usar. Mesmo o melhor dos profissionais vai perder a concentração se trabalhar com uma ferramenta ruim.

Em outras palavras, se o sistema de gerenciamento não for fácil de usar, será impossível manter um alto padrão de qualidade para o blog.

4. Versatilidade e recursos

Hoje você só precisa de um blog corporativo, mas sabia que existem CMSs equipados para se transformarem em lojas virtuais, áreas de ensino à distância e até mesmo clubes de assinaturas?

Priorize a escolha de uma solução versátil, que pode não apenas escalar com facilidade, mas expandir também para outras áreas além do que um blog normalmente faz.

E mesmo que tenha certeza que não vai usar nenhuma dessas outras funções, busque uma plataforma que tenha grande variedade de recursos, como plugins. 

Outro aspecto que entra na versatilidade é a integração do CMS com ferramentas externas. As principais incluem:

  • SEO;
  • automação de marketing;
  • gestão e monitoramento de redes sociais;
  • otimização da escrita;
  • email marketing

ebook email marketing

5. Documentação

Já cobrimos um pouco sobre a documentação ao falar sobre suporte. Mas é importante que a sua equipe tenha acesso à documentação do sistema mesmo que ele seja pago.

Primeiro, porque é nesse documento que seus desenvolvedores poderão entender a estrutura da plataforma e otimizá-la da forma correta no dia a dia, o que evita problemas.

Além disso, quando os princípios de arquitetura de informação, linguagem de programação e outros detalhes do CMS não se harmonizam em nada com o que já é praticado nos demais projetos da empresa, pode ser melhor buscar outra opção.

Por fim, se o CMS que você está de olho tiver pouca ou nenhuma documentação, muito cuidado. Isso pode significar que o projeto não é levado tão a sério pelos criadores e pode te deixar na mão quando mais precisar.

6. Referência de especialistas e colegas de mercado

Que CMS os especialistas recomendam para projetos como o seu?

Normalmente, quando uma autoridade no assunto faz uma indicação, há um bom motivo por trás. Então, procure as opiniões dessas figuras no seu ramo e entenda o motivo da escolha deles.

Além disso, entre em contato com colegas de mercado ou estude a estratégia deles. Isso pode ser de grande ajuda para chegar na escolha certa, e pode até render algumas dicas avançadas que você não encontra por aí.

5 dicas para manter o CMS escolhido em condições perfeitas de uso

Mesmo que você tenha escolhido o melhor software possível, ele vai dar problemas caso a equipe responsável não tome os devidos cuidados.

E, por mais óbvio que pareça, muitas vezes é o descuido com os pequenos detalhes que compromete os resultados maiores.

Então, agora vamos ver algumas dicas práticas que vão ajudar você (ou sua equipe de desenvolvimento) a não sobrecarregar a plataforma escolhida:

1. Sempre instale as atualizações de sistema

É fácil ignorar as atualizações de sistema quando as notificações aparecem bem no meio daquela tarefa importante ou no momento em que você se inspirou escrevendo aquele artigo novo.

Não caia nessa armadilha. Na maioria dos casos, tudo se resume ao incrível esforço de arrumar alguns minutos e apertar um botão de atualização.

2. Acompanhe de perto as novidades da plataforma

Sempre que uma plataforma atualiza seu software, são anunciadas as novidades para os usuários. Em muitos casos, tratam-se apenas de correções de bugs e melhorias de código, mas vez ou outra também acontecem mudanças internas importantes.

Ficar atento e acompanhar de perto essas mudanças pode ser bem útil para garantir que o sistema continue funcionando sem problemas e até melhor do que era antes.

3. Crie senhas fortes para as contas de usuário

Nem é preciso elaborar muito sobre o porquê de não criar senhas como “123456”. O problema é que a maioria dos usuários acha que seus dados nunca serão roubados e outros até usam esse tipo de senha como forma de brincadeira.

Mas criar senhas fracas pode comprometer toda a segurança de dados da empresa. Por isso, não só acredite no pior, mas se prepare para ele.

4. Instale apenas plugins e scripts essenciais

A possibilidade de instalar scripts e plugins que estendem as funcionalidades do CMS é uma ajuda e tanto para deixar uma boa plataforma ainda mais forte.

Só não exagere na dose: instale apenas os plugins que são indispensáveis para o seu blog. Caso contrário, corre o risco de sobrecarregar o sistema com muita informação e processamento de dados, que causam lentidão.

5. Mantenha um ambiente de testes

Com certa frequência, será necessário mudar elementos de uma página ou até trocar o tema do blog. Nunca faça isso no ambiente de produção, ou seja, onde o site está disponível para todos verem.

Mantenha sempre um ambiente de testes, no qual poderá realizar todo tipo de experimento e resolver bugs até que esteja tudo perfeito para o público ver.

Se fizer isso, não importa qual conflito de plugins ou falha de script aconteça, seu site se manterá intacto e seus usuários não serão prejudicados.

Agora que você já sabe como escolher um CMS sem se arrepender depois, é hora de colocar em prática as dicas mostradas aqui. Não se esqueça que esse software vai afetar toda a sua estratégia de conteúdo, então é vital escolher bem e manter o sistema escolhido sempre atualizado.

Que tal começar conhecendo o CMS mais usado e respeitado do mundo? Veja tudo que você precisa saber sobre o poderoso WordPress e se ele serve para a sua empresa!

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo