Insights sobre engajamento e alcance no Facebook

Estudo revela insights sobre engajamento e alcance no Facebook

Confira alguns dos principais insights sobre engajamento e alcance no Facebook e tenha uma estratégia que gera resultados reais!

Quem trabalha com Marketing em redes sociais sabe que as mudanças e atualizações constantes das plataformas podem dificultar na hora de recolher os resultados.

Por isso, é essencial estar atento ao surgimento de novos recursos e possibilidades nessas plataformas.

É importante buscar novas maneira de acompanhar métricas de Social que traduzam o diálogo da audiência com sua marca. Fator essencial para aumentar o engajamento com o público de forma consistente e criar um canal de comunicação referência!

Neste conteúdo vamos falar das regras de relevância de interações no Facebook, do aumento significativo das novas formas de expressão nas redes sociais e entender o que elas significam para o alcance de sua fan page.

O que significa engajamento?

Talvez, você já saiba disso, mas o número de seguidores de uma página, de maneira isolada, não é uma boa métrica para medir seu progresso nas plataformas.

Ele é o que chamamos de métrica de vaidade, uma vez que ter muitos seguidores não significa necessariamente que eles estão interagindo com os conteúdos que seu perfil compartilha.

Afinal, eles podem não fazer parte da persona que você deseja alcançar.

Guia para criação de personas

É aí que entra o engajamento. Ele é formado pela soma de interações do seu público com seu perfil que permite que sua análise da página seja mais completa.

Mas o que constitui esse resultado? Essa pergunta pode ter respostas variadas diferentes ao longo da vida de cada rede social.

Por exemplo, em 2016, o Facebook lançou as reações que mudaram a forma de analisar como o seu conteúdo é recebido (vamos falar mais delas adiante).

Lembra-se que antes a rede social só permitia interações de “curtir”, “compartilhar” e “comentar” nos posts?

Então, desde que essas novas opções foram lançadas, o site viu o uso delas aumentar em 433% (confira), isso é muita coisa!

O Facebook percebeu que um “like” não era mais suficiente para expressar o que os usuários gostariam com a plataforma e isso abriu brecha para a criação de opções que possibilitam expressar sentimentos um pouco mais complexos do que apenas aprovação.

Fonte: Quintly (Facebook’s new Reactions are being used more – a lot more)

Esse teste deu tão certo que o site já ampliou o uso das reações para o Facebook Stories e esse recurso já está sendo testado para o Instagram também (na categoria de Stories).

Ficou claro como o engajamento é um dos fatores essenciais quando se trata de monitoramento e medição de resultados em redes sociais?

Estimular conversas significativas

Essas mudanças estão todas contribuindo para reafirmar uma nova política anunciada pelo Facebook no início do ano que visa promover mais conversas significativas na rede.

Ou seja, a partir do momento que a plataforma possibilita que o usuário reaja emocionalmente a uma publicação (e, adicionado a isso recentemente, a possibilidade de “upvote” e “downvote” para destacar comentários mais pertinentes, de maneira semelhante ao Reddit) o site pretende aumentar as possibilidade de comunicação dentro da plataforma.

O que essas redes sociais conseguem com esse aumento da expressão individual é tornar a experiência do usuário nesses locais mais completa para fazer com que eles passem mais tempo nessas plataformas.

Quanto mais tempo as pessoas passarem nas redes, mais os famosos Ads se tornam interessantes para anunciantes.

Pode-se perceber esse direcionamento observando também a novidade do lançamento da plataforma exclusiva para produtores de conteúdo do Facebook e até mesmo o IGTV no Instagram.

Agora que você já entendeu o que é engajamento e por que ele tem se transformado ao longo dos anos vamos analisar cada ação no Facebook.

Como o Facebook percebe essas reações?

Essa pergunta, assim como as sobre engajamento, pode ter diferentes respostas ao longo do tempo. Antes da possibilidade de reagir a posts existirem podia-se responder essa pergunta com a seguinte ordem: Compartilhar > Comentar > Curtir.

Depois da chegada das reações isso mudou um pouco.

A curtida continuou sendo a expressão menos potente, pensando que o esforço que um usuário tem para comentar ou compartilhar algo é bem maior do que apenas um “like”.

CONTEÚDOS RECOMENDADOS
👉 [Ebook gratuito]: Marketing no Facebook
👉 [Ebook gratuito]: Marketing no Instagram
👉 [Ebook gratuito]: Marketing no LinkedIn
👉 [Ebook gratuito]: Marketing no Twitter
👉 [Ebook gratuito]: Marketing no Youtube

Depois entraram as reações, que são um pouco mais expressivas do que só gostar de algo (o esforço demandado pela ação do clique também é menor em comparação com outras). Após dessas duas possibilidades que fica um pouco mais difícil de dizer o que vale mais.

Um estudo lançado recentemente pela Quintly analisou em mais de 44 milhões de posts no início de 2018 propôs uma questão interessante para pensar no valor de cada ação do usuário dentro do Facebook.

Antes, como comentado lá em cima, um compartilhamento significava mais do que um comentário, o que pode ser explicado por alguns fatores incluindo que ao compartilhar algo o usuário também entende aquele conteúdo como algo que ele se identifica a ponto de reproduzir na sua própria timeline.


Fonte: Quintly (Facebook’s new Reactions are being used more – a lot more.)

Porém, nesse estudo foi percebido que 18% das interações com posts são compartilhamentos, contra apenas 12,1% de comentários. Ou seja, fazer seu público conversar com sua página é cada dia mais difícil e é uma ação mais valorizada pelo Facebook.

Das reações qual é a mais valiosa?

Depende, na verdade elas não têm valor diferente entre si, mas servem para analisar como a audiência está reagindo ao seu conteúdo.

Mas lembre-se isso não quer dizer que só porque seus posts estão tendo muitas ‘hahaha’ significa que sua audiência está gostando dele.

Tudo depende de contexto, se você postar alguma notícia triste ou revoltante e as pessoas reagirem com “Grr” ou “Sad” isso pode não ter relação com sua marca, mas sim com o conteúdo que você acabou de compartilhar. A mesma coisa com as outras possibilidades.

O “haha” pode ser uma manifestação de ironia. Portanto foque na mensagem que você quis passar e estude os resultados a partir disso.

É interessante pensar em como esses sentimentos são complexos de serem analisados pensando na seção da pesquisa da Quintly que fala que o México é o país com que mais usa as reações.

Assim como a Coréia do Norte é a que mais reage com “angry” e o Afeganistão sai na frente no uso do “sad”.


Fonte: Quintly (Facebook’s new Reactions are being used more – a lot more.)

Uma série de fatores influenciam nesses resultados. Incluindo acontecimentos de cada país que colaboram para que as pessoas se expressem dessa maneira.

Mudanças políticas, acidentes e tragédias possuem reflexos perceptíveis nas redes e alguns deles podem ser medidos observando esses dados de uso das reações (e também é importante relembrar do destacamento temporal que a pesquisa foi feita, de janeiro a abril de 2018).

Por isso, na hora de estudar esses dados é importante ter um cuidado maior, já que na hora de interpretar emoções (por mais limitadas a um botão que sejam) olhe sempre para o que você quis passar com seu conteúdo e como o público reagiu.

E o engajamento no Instagram?

O Instagram também merece destaque porque, apesar da lógica de funcionamento diferente da do Facebook, ele vem se mostrando uma plataforma mutável e propícia para desenvolver novas ideias.

Recentemente, foi anunciado que a rede passou a valer mais de 100 bilhões de dólares e cada dia mais cresce em popularidade!

Enquanto o Facebook tem oportunidades em seu formato, o Instagram explora o audiovisual. O app usa muito as imagens e vídeos para promover uma comunicação construída por esses elementos.

O feed do Instagram não oferece a possibilidade de usar reações, portanto as interações que você deve ficar de olho na rede são curtidas nas fotos, número de comentários, menções à marca e número de seguidores do perfil.

A novidade do app em questão de métricas, fica por conta dos stories.

Neles você pode observar as respostas do público a estímulos como respostas de quiz (sim ou não), no uso da barra de emoji ou mesmo em mensagens diretas para os perfis de empresas.

Além disso, em páginas maiores é possível medir o tráfego a partir do recurso de inserir links no stories (o famoso “deslizar para cima”).

Isso facilita muito a captura de atenção do usuário, além do fato de que chamada para ação de acesso ao conteúdo é um comando simples que não demanda tanto do usuário quanto ir até o link da bio, por exemplo.

Para finalizar, nossa dica é explorar sempre as novas funcionalidades dessas redes para entender quais formato trazem mais resultados para cada público.

Isso é essencial porque com o tempo os hábitos da sua audiência vão mudar e seu perfil deve acompanhá-los.

A IGTV, que é o mais recente lançamento da empresa, já vem sendo usada como plataforma para hospedar conteúdos de alguns perfis.

Bom, se esse canal vai prosperar é algo que só saberemos com tempo, por isso invista tempo em testar e medir resultados dessas novas ferramentas, afinal nada melhor do que ser pioneiro em recursos que estão se popularizando.

Por isso é uma ótima forma para você investir em maneiras novas de produzir materiais!

O Instagram já mostrou que é um adversário grande quando lançou o recurso do stories na disputa contra o Snapchat.

E o Facebook já provou que vai investir cada vez mais na interação entre usuários e as marcas que quiserem ter destaque no site terão que batalhar cada vez mais por esse espaço.

E você, que estratégias utiliza para manter o interesse do público? Comente aqui embaixo e confira o estudo completo da Quintly para não perder nenhuma informação sobre as reactions no Facebook!

Guia do IGTV para Empresas

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo