Guia Michelin

Guia Michelin: conheça o maior exemplo de marketing de conteúdo de todos os tempos

O Guia Michelin é o primeiro exemplo de marketing de conteúdo que conhecemos. Eles foram capazes de revolucionar o mercado e vender muito mais do que um produto. Quer entender melhor? Acesse o post!

O que você entende por marketing de conteúdo?

Se pensou em vídeos, newsletters, redes sociais, artigos de blog e materiais para download, está certo.

Mas essa é a visão moderna do tema, que leva em conta apenas os elementos digitais que costumamos usar em estratégias de marketing de conteúdo hoje em dia.

O que você provavelmente não sabe é que muito antes do termo marketing de conteúdo existir, o conceito por trás dele já estava em uso — e com grande sucesso!

Exemplo disso é o Guia Michelin, que foi criado há mais de 100 anos.

Ficou curioso para saber a história por trás desse guia?

Então vamos voltar no tempo e entender o que o Guia Michelin tem de tão especial!

O que é o Guia Michelin

O Guia Michelin foi lançado com o objetivo de oferecer informações de qualidade para os motoristas de carro na França do fim do século XIX, época em que havia apenas 3 mil veículos no país.

As ricas informações sobre hotéis e restaurantes serviam como um guia de exploração para os viajantes — que, ao fazer isso, usariam bastante seus carros e gastariam mais com pneus (o principal produto da empresa).

Com o passar do tempo, o guia foi ganhando popularidade — assim como os automóveis — e expandiu para outros países.

Hoje, o Guia Michelin, com seu sistema de pontuação por estrelas, é a publicação mais respeitada do mundo em classificação de hotéis e restaurantes de alta qualidade.

A história por trás do Guia Michelin

O ano é 1900. A marca francesa comandada pelos irmãos Andre e Edouard Michelin já existe há 12 anos e tem o reconhecimento de ser uma empresa inovadora no ramo de pneus de bicicleta.

Mas, com o século XX se aproximando e o mercado automobilístico ainda na sua infância, eles decidem que é hora de dar o próximo passo: fabricar pneus para carros.

Como gerar demanda para um produto ainda tão novo, com apenas 3 mil carros rodando em toda a França? Criando conteúdo para ajudar os motoristas a usar bem seus carros novos!

A 1ª edição do guia teve 35 mil cópias e foi distribuída de graça. Ele continha mapas, informações sobre restaurantes e dicas de como planejar viagens.

O guia foi um sucesso e continuou sendo lançado nos anos seguintes, em tiragens cada vez maiores — além de expandir para outros países da Europa e, finalmente, para o restante do mundo.

A partir de 1920, algumas mudanças radicais definiram o futuro do guia que já era um sucesso: a publicação parou de mostrar anúncios e passou a ser vendida.

A parte de restaurantes, a mais popular entre os leitores, recebeu mais espaço, e uma equipe de críticos passou a visitar os estabelecimentos em segredo para avaliar as experiências e relatá-las no guia.

Em 1926, começaram a dar uma estrela para restaurantes que tivessem uma experiência incrível e, 10 anos depois, passaram a adotar o famoso sistema de 3 estrelas, usado até hoje.

Chegamos aos dias de hoje.

O guia impresso continua a ser publicado em diversos países, firme e forte como a maior referência de recomendação de hotéis e restaurantes de 1ª qualidade do mundo.

Mas o guia também está na internet, com funções de localização e reserva nos estabelecimentos destacados.

3 benefícios do Guia Michelin para a marca

O Guia Michelin não foi um projeto vazio, mas trouxe — e continua trazendo, mais de um século depois de sua criação — grandes benefícios para a empresa.

Aliás, o guia nunca foi tão popular e confiável, tanto que continua crescendo em alcance e popularidade.

Veja 3 benefícios que a marca alcançou com o guia, tanto no passado quanto no presente:

1. Educar o mercado

A missão da Michelin não era fácil: fazer a transição para um mercado em transformação, gerando demanda para um segmento ainda pequeno, mas que claramente seria o futuro do transporte no mundo todo.

Era preciso educar os prospectivos clientes e gerar demanda para o produto que a empresa oferecia, e o guia foi a maneira perfeita de oferecer todas as informações que as pessoas precisavam.

Aliás, consegue pensar por que os irmãos Michelin publicaram 35 mil cópias do guia, mais de 10 vezes o número de carros que havia no país?

A ideia não era só educar quem já tinha um veículo, mas também os que desejavam ter um!

2. Estabelecer-se como autoridade

Decisões importantes foram tomadas desde a versão inicial do guia, todas bem-sucedidas em colocar a Michelin como autoridade em turismo.

Escolhas como abandonar os anúncios e passar a vender os guias, colocar críticos para avaliar os locais com maior cuidado e focar nos conteúdos mais relevantes para o público foram acertadas e aumentaram a força do guia.

3. Tonar-se um case histórico no mundo todo

O case do guia é exaltado no mundo todo como um dos maiores exemplos de marketing de conteúdo da história.

Pense no que isso significa em termos de branding para a companhia.

É provável que, depois de ler este post, você e muitos outros nunca mais vejam a marca da mesma forma ou se lembre dela sempre que tiver de trocar o pneu do seu carro.

O retorno desse tipo de publicidade, em específico, é impossível de medir, mas pode ter certeza que contribui para a Michelin continuar sendo uma das maiores e mais respeitadas fabricantes de pneus do mundo.

Por que o Guia Michelin é um dos maiores exemplos de marketing de conteúdo de todos os tempos

Parece uma afirmação forte falar desse como um dos maiores exemplos de todos os tempos, ainda mais com tantos cases impressionantes surgindo a cada dia.

Mas não há descrição melhor que essa para falar do Guia Michelin, e vamos te explicar os motivos:

Relevância centenária

A relevância do guia e, consequentemente, da marca já duram por mais de 1 século.

Que outra ação de marketing que você conhece se manteve estável e trouxe resultados por tanto tempo?

Por produzir conteúdo quando ninguém pensava em fazer isso, a Michelin saiu tão na frente que colhe os benefícios disso tanto tempo depois. E não deve deixar de colher tão cedo…

Social muito antes da internet

Se perguntado sobre um canal de marketing que é consultado por consumidores exigentes do mundo todo e disputado pelos principais estabelecimentos de turismo e de gastronomia do mundo, o que você diria?

Talvez respondesse Yelp, Facebook, TripAdvisor ou outro similar.

São todas respostas aceitáveis para os nossos dias.

Mas vamos mudar um pouco a pergunta e pedir por um canal de marketing desse tipo há 100 anos.

A situação muda bastante, não é?

Isso mostra como o Guia Michelin já era social (muito) antes do surgimento da internet.

3 estrelas que mudam vidas

As 3 estrelas do guia podem, literalmente, mudar vidas. Não é exagero!

Os critérios de avaliação da publicação são extremamente exigentes, e receber uma avaliação dessas pode fazer qualquer restaurante explodir de sucesso.

O contrário também é verdade: perder uma estrela pode representar um grande declínio de prestígio e vendas.

Quer um exemplo?

Em 2003, o chef Bernard Loiseau se suicidou com um tiro na cabeça.

O motivo foi a extrema pressão que sofria por conta de rumores (isso mesmo, rumores) de que o seu restaurante perderia a classificação de 3 estrelas.

Um caso trágico que mostra o incrível poder do guia em influenciar o consumidor que o acompanha.

4 lições que você pode aprender com o Guia Michelin

Em plena era da transformação digital, é impressionante ver como um produto lançado há tanto tempo ainda faz tamanho sucesso e chama tanto a atenção.

Seria um desperdício falar do Guia Michelin e não tirar algumas lições valiosas que podem ajudar qualquer estratégia de conteúdo atual.

Então lá vão as principais:

1. Marketing de conteúdo não precisa ser óbvio

O guia não oferecia informações de como consertar veículos ou algo do tipo. A mensagem da sua marca não precisa ser diretamente ligada com o produto que vende.

2. Relevância é mais importante do que promoção

Conteúdo de qualidade foi o que elevou o guia até o status que alcançou hoje, e não promoções de pneus ou matérias sobre sua qualidade superior.

3. Marketing de conteúdo é uma estratégia que leva tempo

Os irmãos sabiam que levaria tempo até o guia dar resultados, e mesmo assim se propuseram a criá-lo com a máxima qualidade possível. Deu certo!

4. Avaliar o que funciona é essencial

Destacar os restaurantes e tirar os anúncios deram a seriedade e a profundidade que faltavam para o guia se tornar a referência que é hoje.

O Guia Michelin prova pontos importantes:

Inovar e deixar de lado o que todo mundo faz é sempre a melhor saída, e se estabelecer como autoridade traz ótimos resultados.

Mas, acima de tudo, prova que o marketing de conteúdo não é uma tendência passageira, mas uma estratégia que funciona por muito tempo.

O incrível exemplo do Guia Michelin mostra como o marketing de conteúdo é uma estratégia de longo prazo.

Apesar de tudo mudar rápido no mundo digital, veja por que isso não é uma coisa ruim!