Influenciador da Adidas

Falsa campanha da Adidas viraliza nas redes sociais para recrutar influenciadores

Uma das maiores marcas de esportes, Adidas, foi vítima de fake news nesta semana. A suposta campanha tinha o intuito de recrutar influenciadores.

Recentemente, a Adidas se viu parte de um escândalo de fake news que levou a própria marca a esclarecer o boato.

A viralização de uma imagem, que sugeria que a marca estava a procura de pessoas para montar um “time de influenciadores”, foi responsável por movimentar a internet pelos últimos dias e compreender que o fenômeno das notícias falsas saiu do âmbito jornalístico e vem ganhando roupagem diferente.

No que consistia a “campanha”

A proposta, que deveria ser compartilhada pelos usuários em forma de imagem, acumulava uma série de especificações para que o perfil, em questão, tivesse a chance de trabalhar com a gigante dos calçados: era preciso ter no mínimo 200 seguidores e seguir um perfil específico no Instagram, além de fazer a repostagem do conteúdo.

Ao seguir todas as regras, os 100 selecionados receberiam, mensalmente, um pacote da marca com roupas, acessórios, vale presente e exposição no perfil oficial da marca. Rapidamente, o boato ganhou força e a própria Adidas se viu na responsabilidade de anunciar a fake news em seu perfil brasileiro — se você entrar hoje no @adidasbrasil, perceberá a seguinte frase: “Não estamos realizando nenhuma promoção ou sorteio”.

Além disso, um porta-voz da marca informou que a promoção é falsa e reforçou que absolutamente todas as ações e comunicação da Adidas, sejam elas com influenciadores ou não, são realizadas a partir dos canais oficiais.

Aprendendo a lidar com as fake news

O escândalo joga luz para um problema recorrente: como lidar com a quantidade absurda de fake news que invade, cada vez com maior frequência e intensidade, as redes sociais?

A resposta se encontra em uma palavra-chave: checagem/verificação de dados. Não necessariamente da forma na qual agências estão se especializando ao desenvolver ferramentas poderosas de “combate” às fake news, muito pelo contrário, é possível ajudar a desmontá-las de maneira muito simples e até mesmo rápida.

No momento em que uma pessoa se depara com qualquer tipo de conteúdo duvidoso, como esse da Adidas — afinal, nos dias de hoje, 200 seguidores nas redes sociais é um número bizarramente fácil de ser atingido — é preciso usar o exercício da apuração, conceito que jornalistas lidam diariamente desde o início da graduação.

Além do bom senso, uma simples checagem da fonte já é um grande passo para descobrir a mentira. Os perfis que “criaram” a campanha, claramente pareciam ter sido criados para propósitos duvidosos, já que existiam há pouquíssimo tempo e não tinham uma atividade profissional na página, coisa que a Adidas claramente não faria.

Se a dúvida permanecer, é só checar os perfis da marca: nenhuma ação desse porte seria feita sem que a própria Adidas anunciasse em suas redes sociais.

A prática, realizada por internautas que aplicam “golpes” do tipo para acumularem seguidores em perfis fantasmas — eles geralmente são vendidos depois — tem até nome: “phishing”. Já houveram inúmeros outros casos similares ao da Adidas, porém que não acumularam tamanha adesão ou repercussão ao ponto da própria marca se pronunciar.

O que resta aos internautas, então, é desenvolver diariamente uma visão cada vez mais analítica e até mesmo duvidosa em relação à notícias e conteúdos que podem parecer falsos. Na era das fake news, todo cuidado é pouco.

Gostou do conteúdo e quer saber como construir defensores para a sua marca? Confira nosso ebook!

Como construir defensores para sua marca

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo